UOL Notícias Notícias
 

25/02/2010 - 09h52

Sarkozy admite 'graves erros' da França durante genocídio de Ruanda

O presidente francês Nicolas Sarkozy reconheceu nesta quinta-feira em Kigali "graves erros de apreciação" da França e da comunidade internacional durante o genocídio de 1994 em Ruanda, cujos responsáveis quer ver "castigados", em uma entrevista coletiva à imprensa com seu colega ruandês Paul Kagamé.

"O que aconteceu aqui é inaceitável, mas o que aconteceu aqui obriga a comunidade internacional, o que inclui a França, a refletir sobre seus erros que impediram prevenir e deter esse crime espantoso", declarou Sarkozy.

Entre essas falhas, Sarkozy citou "graves erros de apreciação, uma forma de cegueira quando não vimos a dimensão genocida do governo do presidente que foi assassinado, erros em uma operação Turquesa realizada tarde demais (...)".

O Exército francês lançou a operação Turquesa em junho de 1994, três meses depois do início do genocídio.

O presidente francês pediu que "os responsáveis pelo genocídio sejam encontrados e castigados".

"Não há nenhuma ambiguidade. Disse ao presidente Kagamé: os que fizeram isso, onde quer que estejam, devem ser encontrados e castigados", declarou.

Depois do genocídio de 1994, o governo de Paul Kagamé acusou a França de cumplicidade por ter apoiado seu antecessor Juvenal Habyarimana. Paris sempre rejeitou a acusação.

A morte de Habyarimana em um atentado desencadeou um genocídio que deixou cerca de 800.000 mortos, em sua grande maioria membros da etnia tutsi.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    09h40

    -0,08
    3,274
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -1,54
    61.673,49
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host