UOL Notícias Notícias
 

27/02/2010 - 11h49

Dubai quer que Mossad admita assassinato de dirigente do Hamas

O chefe da pol?cia de Dubai disse neste s?bado que Meir Dagan, diretor do Mossad (servi?o secreto israelense), assuma a responsabilidade de sua organiza??o pelo assassinato de Mahmud Al-Mabhub, dirigente do Hamas, morto em janeiro em Dubai.

"Meir Dagan, o chefe (do Mossad) deve admitir seu crime (...) ou desmentir categoricamente a participa??o de seu servi?o. Mas sua atual atitude ? um testemunho de seu medo. Que assuma como um homem", declarou o general Chahi Khalfan ao jornal Emarat Al-Yum, ?rg?o do governo local de Dubai.

A pol?cia de Dubai acusa o Mossad pelo assassinaro de Al-Mabhub, cujo corpo sem vida foi encontrado no dia 20 de janeiro em um hotel do emirado.

Na sexta-feira, Khalfan anunciou ter em m?os "uma prova irrefut?vel de DNA de um dos assassinos", al?m das impress?es digitais de v?rios outros suspeitos.

"O que ? certo at? agora ? que a maioria dos assassinos, cujos nomes foram anunciados (...), encontra-se em Israel", destacou Khalfan ao Al Khaleej, outro jornal local.

"Dagan e o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu estar?o no topo da lista de pessoas procuradas por mandato internacional a partir do momento em que se prove que o Mossad ? o autor do assassinato, e Dagan (...) admita francamente ser respons?vel pelo planejamento e execu??o do crime", acrescentou.

As autoridades israelenses afirmam que nada prova o envolvimento do Mossad no assassinato de Al-Mabhub.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,40
    3,181
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    2,01
    70.011,25
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host