UOL Notícias Notícias
 

13/03/2010 - 11h54

Mais de 1.600 detidos em duas semanas de toque de recolher no Chile

Mais de 1.600 pessoas foram detidas em duas semanas de toque de recolher no centro-sul do Chile, onde os saqueos após o terremoto de fevereiro forçaram a mobilização de militares para restaurar a ordem.

De acordo com o jornal La Tercera, os 15.000 militares mobilizados na região prenderam 1.609 pessoas durante os períodos de toque de recolher, que em cidades como Concepción, a 500 km de Santiago, chegaram a durar 18 horas por dia.

A maioria dos detidos já está em liberdade, apenas 210 suspeitos de participação em saques e distúrbios permanecem presos.

"Tivemos um ótimo comportamento da população. A avaliação é positiva, no sentido de que o número de pessoas detidas caiu em relação ao início", declarou o general Bosco Pesse, comandante militar da região del Maule (centro-sul).

Centenas de pessoas morreram ou são consideradas desaparecidas depois do terremoto e tsunami de 27 de fevereiro, quando milhares de casas desabaram ou foram destruídas, com muitas regiões sem luz, água ou alimentos.

Após a tragédia natural que provocou mortes e destruição, os chilenos ainda foram obrigados a passar as noites com medo dos saques.

Após os primeiros saques e antes da militarização da zona, grupos de vizinhos criaram brigadas para proteger os bairros, com direito a barricadas.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host