UOL Notícias Notícias
 

26/03/2010 - 19h58

Árabes: Israel deve anular a construção de 1.600 casas, se quiser negociar

Representantes dos países árabes declararam nesta sexta-feira, na véspera da abertura de sua cúpula anual em Sirta, na Líbia, que Israel deve voltar atrás na decisão de construir 1.600 casas em Jerusalém Oriental, antes mesmo do início de negociações indiretas com os palestinos.

"A posição árabe é muito clara: as negociações (com Israel) dependem do congelamento da colonização e, em particular, do cancelamento dessas construções", declarou o secretário-geral da Liga Árabe Amr Mussa a jornalistas ao final de uma reunião ministerial árabe.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que assistiu a uma parte da reunião, pediu apoio aos árabes às negociações indiretas entre Israel e os palestinos propostas pelos Estados Unidos, informou à AFP um diplomata árabe que preferiu não ter o nome divulgado.

Na presença de Ban Ki-moon, o primeiro-ministro do Qatar, xeque Hamad Ben Jassim Ben Jabr al-Thani, criticou a comunidade internacional por "não impor sanções internacionais a Israel", estimando que o Estado hebreu gozava de uma espécie de "imunidade".

Os chanceleres árabes chegaram a um acordo, na quinta-feira, para a concessão de ajuda de 500 milhões de dólares aos palestinos de Jerusalém, durante preparatória da reunião de cúpula prevista para o final de semana na Líbia.

Os recursos estariam canalizados ao financiamento de trabalhos de infraestrutura e serviços, em Jerusalém, como a construção de hospitais e escolas.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    10h10

    -0,20
    3,263
    Outras moedas
  • Bovespa

    10h11

    0,23
    63.908,51
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host