UOL Notícias Notícias
 

28/03/2010 - 09h26

Primaz da Inglaterra acha que não há razão sólida para renúncia do Papa

O primaz da Inglaterra e do País de Gales, Vincent Nichols, afirmou neste domingo que não há razões sólidas que apontem para a renúncia do Papa Bento XVI, envolvido num escândalo por sua condução dos casos de pedofilia dentro da Igreja Católica.

"O Papa não vai renunciar. Francamente, não há razão sólida para que o faça", declarou o arcebispo de Westminster falando à BBC One.

"Ele não está envolvido em nenhuma tentativa de ocultar caso algum... De fato, foi o cardeal Ratzinger (futuro Papa Bento XVI) que impulsionou mudanças significativas. Por exemplo, pressionou em favor de um processo rápido apa secularizar os padres que cometeram abusos... Depois, em 2001, emitiu um documento que permite que os bispos não fiquem isolados frente ao problema", explicou.

"Nesse documento, não há absolutamente nada que impeça aos bispos assinalar os crimes à polícia. De fato, desde 2001, a Santa Sede sempre aconselhou os bispos a fazê-lo", concluiu.

O Papa se encontra em meio a uma série de escândalos envolvendo pedofilia dentro de clero que abalam sua posição.

O cardeal Joseph Ratzinger, que depois seria nomeado Papa, não teria feito nada para impedir em 1980 que um padre acusado de pedofilia retomasse o sacerdócio em uma outra paróquia na Alemanha, afirmou o jornal New York Times na sexta-feira, um dia depois de revelar um caso parecido ocorrido nos Estados Unidos.

No final de 1979 em Essen, Alemanha, o padre Peter Hullermann foi suspenso após várias queixas de pais que o acusavam de pedofilia. Uma avaliação psiquiátrica ressaltou os instintos pedófilos, indica o diário americano.

Algumas semanas depois, em janeiro de 1980, o cardeal Ratzinger, futuro Papa Bento XVI, que era na época arcebispo de Munique, dirigiu uma reunião durante a qual a transferência do padre de Essen para Munique foi aprovada. O futuro pontífice recebeu alguns dias depois uma nota na qual foi informado de que o padre Hullermann havia retomado o serviço pastoral.

Em 1986, este padre foi declarado culpado de ter agredido sexualmente meninos em uma outra paróquia de Munique, após a transferência para a cidade bávara.

Na quinta-feira, o jornal revelou que o futuro Papa Bento XVI havia acobertado abusos sexuais de um padre americano, acusado de ter abusado de 200 crianças surdas de uma escola do Wisconsin (norte dos Estados Unidos).

Segundo o NYT, o então prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé abriu mão de iniciar os trâmites contra o padre acusado de ter abusado de quase 200 crianças surdas em uma escola do Wisconsin entre 1950 e 1972.

O Vaticano reagiu rapidamente desmentindo as informações.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    0,40
    3,279
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    0,95
    63.257,36
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host