UOL Notícias Notícias
 

30/03/2010 - 19h46

G8 discute Afeganistão e ambições nucleares iranianas e norte-coreanas

A situação no Afeganistão, bem como as ambições nucleares iranianas e norte-coreanas dominaram o encontro de ministros das Relações Exteriores do G8, no Canadá, que ameaçam com novas sanções os regimes de Teerã e Pyongyang.

Reunidos em Gatineau, perto de Ottawa, os chanceleres do Grupo dos Oito (G8, países industrializados mais a Rússia) preparam a cúpula que reunirá seus presidentes no fim de junho em Muskoka, Ontário.

Na busca de uma posição comum sobre novas sanções que o Conselho de Segurança da ONU poderia adotar contra o Irã, o anfitrião do encontro deu o tom: o primeiro-ministro canadense, Stephen Harper, pediu "uma ação mais coordenada e forte, incluídas sanções se fossem necessárias, contra o regime iraniano".

"Teerã deve deter suas atividades de enriquecimento de urânio e se comprometer a um diálogo pacífico", enfatizou.

Pouco depois, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, se disse otimista sobre a possibilidade de alcançar um consenso para aplicar sanções ao Irã.

"Vemos que a tomada de consciência aumenta em muitos países, inclusive a China, sobre as consequências de um Irã com armas nucleares na estabilidade regional e global e para nosso abastecimento de petróleo", disse Hillary durante entrevista coletiva.

Enquanto isso, o chanceler canadense, Lawrence Cannon, instou a comunidade internacional a "pressionar o Irã".

No início da sessão de trabalho matinal, Harper situou no mesmo plano Irã e Coreia do Norte, pois em sua opinião, os dois países representam "graves ameaças à segurança mundial".

"Chamamos a Coreia do Norte a voltar às negociações de seis partes", disse Harper em alusão ao estancado diálogo entre China, as duas Coreias, Estados Unidos, Japão e Rússia sobre o desmantelamento do programa nuclear de Pyongyang.

Quanto ao Afeganistão, Harper pediu ao presidente Hamid Karzai para assumir responsabilidades e cumprir suas promessas de melhorar a governança, reforçar o Estado de direito e combater a corrupção.

"Devemos continuar dando apoio (ao governo de Cabul), assegurando-nos de que o governo afegão cumpra com seus compromissos", pontuou.

Na declaração emitida nesta terça-feira, o G8 reiterou seu apoio à estratégia de reconciliação defendida por Karzai, mas também pede insistentemente a Cabul que demonstre "audácia" para resolver os problemas de governança, para agir rápido contra a corrupção e "cumprir suas promessas" de reformar a Justiça afegã.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host