UOL Notícias Notícias
 

06/04/2010 - 08h43

Itália tem 130 padres envolvidos em casos de pedofilia nos últimos 2 anos

Um total de 130 padres foram detidos, indiciados e condenados nos últimos dois anos dentro de processos por pedofilia na Itália, informa nesta terça-feira o jornal Il Fatto, citando um advogado que afirma ainda que este número "representa apenas a parte visível do iceberg".

De Bolzano, norte, a Trapani, sul, as promotorias italianas se viram confrontadas com o fato de ter que realizar investigações envolvendo eclesiásticos e onde as vítimas eram jovens, geralmente muito jovens, segundo o jornal.

"É uma cifra alarmante se considerarmos que é apenas a parte visível do iceberg, se pensarmos em todos os casos que ainda não tiveram eco na imprensa ou que não foram denunciados ante a justiça", afirmou o advogado Sergio Cavaliere que reuniu a documentação sobre os 130 casos citados, sempre de acordo com o jornal.

"Em nenhum caso o bispo local advertiu à polícia sobre as suspeitas de casos de abusos", afirmou ainda Cavaliere.

Segundo Pietro Forno, juiz da promotoria de Milão (norte) que instruiu inúmeros expedientes de padres suspeitos de pedofilia, 10 dos quais foram condenados, "nos casos tratados as queixas jamais foram apresentadas por um bispo ou outros religiosos e sim por membros da família que primeiramente recorreram, sem qualquer êxito, às autoridades eclesiásticas", acrescenta o jornal.

Por outra parte, a polícia suspeita da existência de "uma rede de religiosos que têm uma paixão pelos menores".

"Em mais de um caso, os investigadores estabeleceram que o religioso que cometia abusos sexuais contra menores compartilhava desse desvio com outro correligionários", acrescenta a publicação italiana.

Desde o final de 2009, a Igreja Católica está abalada por revelações sobre uma série de abusos de pedófilos cometidos por religiosos, geralmente acobertados por sua hierarquia na Europa e, em particular, na Irlanda, na Alemanha e nos Estados Unidos, mas cada vez mais também na Itália.

Nas últimas semanas, o próprio Papa Bento XVI foi questionado pela imprensa alemã e americana por ter, segundo as fontes, mantido silêncio sobre vários abusos do tipo quando era o arcebpiso de Munique e depois prefeito da Congreção para a Doutrina da Fé no Vaticano.

A Santa Sé nega todas as acusações.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h40

    0,55
    3,275
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h48

    -1,98
    61.396,07
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host