UOL Notícias Notícias
 

07/04/2010 - 16h38

Quirguistão: presidente chegou ao poder após revolução de 2005

O presidente do Quirguistão, Kurmanbek Bakiev, que fugiu do país nesta quarta-feira após a oposição assumir o controle dos edifícios da Presidência e Parlamento, chegou ao poder após a revolução de março de 2005.

Esse homem de 60 anos, de cabelos brancos, teve seu momento de glória em 24 de março de 2005 quando milhares de manifestantes derrubaram o presidente Askar Akaiev em protesto contra fraudes eleitorais, em um movimento do qual Bakiev foi um dos líderes.

Originário do sul do país, onde nasceu em 1° de agosto de 1949, esse engenheiro elétrico - apesar de uma vitória esmagadora nas eleições presidenciais de julho de 2005, quando obteve 89% dos votos - nunca pôde se impor no governo por conta de diversas manifestações e oposições de deputados.

"Tinha fama de ser um líder comunista capaz de manter a ordem. Mas se viu refém de suas ambições e de seu clã", disse Alexei Malachenko, especialista em Ásia Central, do Centro Carnegie em Moscou.

Rapidamente, Bakiev foi abandonado por aqueles que o ajudaram a subir ao poder e o acusaram de continuar as más práticas de seu antecessor, ao distribuir vantagens econômicas e dar cargos de responsabilidade a membros de sua família.

"Seus irmãos obtiveram postos importantes e seu filho Maxim monopolizou a economia do país. Esse clã é muito mais poderoso que o de Akaiev", afirmou Makachenko.

Mesmo assim, é o único presidente dos cinco países da Ásia Central cuja eleição foi reconhecida como livre pelo Ocidente, e continua sendo considerado o fundador da democracia na região.

Mas seu regime acabou retomando as fraudes eleitorais em dezembro de 2007 nas eleições legislativas antecipadas, que deram a ele uma maioria parlamentar esmagadora.

As eleições presidenciais de 23 de julho de 2009, nas quais foi reeleito com 76,43% dos votos, foram muito criticadas pelos europeus e consideradas não democrática pela Organização de Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

Aproveitando-se da posição privilegiada desse pequeno país montanhoso da Ásia Central, Bakiev aproveitou-se da rivalidade russo-americana na região.

Fez com que os EUA triplicassem o preço pago pela base militar de Manas em junho de 2009, depois de ameaçar fechá-la meses antes. Esta base é crucial para as operações militares no Afeganistão.

Nesse intervalo, obteve 2 bilhões de dólares em ajuda de Moscou que, segundo analistas, foi pressionada para obter o fechamento dessa base.

Sua carreira política projetava nele a imagem de um homem político sem grande carisma habituado ao poder e que o ex-presidente do Parlamento, Omurbek Tekebaiev, descrevia como "um homem político insosso e sem visão".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    14h19

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    14h25

    -0,48
    63.779,96
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host