UOL Notícias Notícias
 

09/04/2010 - 08h01

Obama volta a Washington após assinar tratado START com Moscou

O presidente americano Barack Obama deixou Praga nesta sexta-feira de manhã após uma visita de 24 horas durante a qual assinou, junto com seu colega russo Dmitri Medvedev, o novo tratado START que estabelece uma considerável redução dos arsenais nucleares de ambos os países.

De acordo com o novo acordo, Moscou e Washington se comprometem a reduzir o número de ogivas nucleares para 1.550 cada um. Isto representaria uma diminuição de 74% em relação ao limite estabelecido no tratado START original ("Strategic Arms Reduction Talks", ou Negociações para a Redução de Armas Estratégicas), que foi firmado em 1991 e expirou no final de 2009.

O novo acordo, fruto de longas negociações bilaterais que foram realizadas em Genebra durante um mês, representa um evento "histórico" que "põe fim à deriva" nas relações entre os dois países, disse Obama.

O presidente russo ressaltou que a assinatura do tratado abre um "novo capítulo" nas relações entre as duas potências.

Obama e Medvedev aproveitaram a ocasião para se mostrarem firmes na questão do programa nuclear do Irã, ambos evocando a possibilidade de uma nova rodada de sanções da ONU contra Teerã.

O presidente americano declarou que tanto Moscou como Washington desejam que o Irã sofra as "consequências" por sua atitude e falou de "sanções severas". Medvedev declarou que não "podia descartar" uma série de sanções "sensatas, capazes de suscitar o comportamento adequado".

O único ponto mais polêmico do encontro foi a questão do projeto de Washington de estender seu sistema de defesa antimísseis à Europa Central.

Pouco depois da assinatura do tratado, o Kremlin ressaltou que este é viável apenas "se não houver uma expansão qualitativa e quantitativa de um possível sistema de defesa antimísseis americano".

No entanto, a advertência seria minimizada mais tarde por autoridades russas. "Não estamos dizendo que nos retiraremos do tratado", ressaltou o vice-ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Riabkov.

Obama se reuniu também com os dirigentes de onze antigos países comunistas da Europa Central e do Leste que são membros da Otan.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host