UOL Notícias Notícias
 

10/04/2010 - 08h56

Lech Kaczynski, jurista, católico e conservador

Lech Kaczynski, eleito presidente da Polônia em outubro de 2005 e morto neste sábado, aos 60 anos, num acidente de avião em Smolensk (Rússia), era um jurista conservador e profundamente católico procedente do movimiento anticomunista Solidaridade de Lech Walesa.

Junto ao irmão gêmeo, o ex-primeiro-ministro polonês Jaroslaw Kaczynski, entrou no final dos anos 1970 na oposição anticomunista e, em 2001, fundaram juntos o partido Direito e Justiça.

De julho de 2006 a novembro de 2007, os dois irmãos governaram juntos a Polônia - Lech como presidente e Jaroslaw como chefe de Governo.

Sucessor do social-democrata Aleksander Kwasniewski, Lech Kaczynski defendia a reconciliação com a Alemanha e a Rússia, ao mesmo tempo em que explorava o temor ainda sentido por alguns populares pelos dois grandes vizinhos.

Também defendia uma profunda reforma da Polônia com base "na justiça, na solidaridade e na honra".

Depois de sua vitória em 2005, Lech Kaczynski explicou que seu irmão, 45 minutos mais velho, "sempre o incentivou a ir adiante".

Para não colocar empecilhos no objetivo de Lech de ser presidente, Jaroslaw havia renunciado em 2005 ao cargo de primeiro-ministro, embora tenha conservado o muito influente posto de presidente de seu partido.

Lech e Jaroslaw começaram a se destacar no país aos 12 anos, quando atuaram num filme para crianças.

Seu compromisso contra o comunismo, então no poder, valeu a Lech ser confinado junto com outros milhares de militantes do Solidaridade, durante a instauração da lei marcial, em 13 de dezembro de 1981.

Liberado ao final de 11 meses, tornou-se, com o irmão, um colaborador do líder histórico do primeiro sindicato livre do mundo comunista, Lech Walesa, de quem acabou se distanciando nos anos 1990.

Lech era casado, tinha uma filha e um neto. Jaroslaw é solteiro e vive com a mãe.

Partidário do intervencionismo econômico, transmitia a imagem de político experiente e honesto, fama que forjou ocupando os cargos de presidente do Tribunal de Contas, ministro da Justiça e prefeito de Varsóvia.

Como ministro da Justiça trabalhou contra o crime organizado e promoveu um sistema jurídico rigoroso e repressivo. "Sou e serei partidário da pena de morte", afirmava abertamente.

Fiel a suas convicções conservadoras, proibiu várias manifestações de homossexuais em Varsóvia.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h16

    -0,05
    3,173
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h23

    1,12
    65.403,25
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host