UOL Notícias Notícias
 

10/04/2010 - 20h59

Presidente polonês morre em acidente aéreo na Rússia

O presidente da Polônia, Lech Kaczynski, morreu neste sábado quando o avião em que viajava com 95 pessoas, um Tupolev-154, entre elas sua esposa e os principais comandantes das Forças Armadas, caiu sem deixar sobreviventes perto de Smolensk, no oeste da Rússia.

Lech Kaczynski, um jurista conservador e católico fervoroso, de 60 anos, havia sido eleito presidente da Polônia em 2005.

Entre as vítimas estão, também, o presidente do Banco Central polonês, Slawomir Skrzypek, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, Franciszek Gagor, assim como os principais comandantes do Exército polonês.

O primeiro-ministro polonês, Donald Tusk, e Jaroslaw Kaczynski, irmão gêmeo do presidente Lech Kaczynski, já chegaram ao local da tragédia.

Jaroslaw reconheceu o corpo de Lech Kaczynski e de Maria, mulher do presidente, segundo o deputado polonês Max Kraczkowski.

O premier russo, Vladimir Putin, que dirige a comissão encarregada de investigar o acidente, se reuniu com Tusk no local e depositou uma coroa de flores, revelou a agência RIA Novosti.

Lech Kaczynski e sua comitiva se dirigiam a Katyn, perto de Smolensk, para assistir a um ato em homenagem a oficiais poloneses executados há 70 anos pela polícia de Stalin.

"O avião teria se chocado com árvores, incendiando em seguida", segundo o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores polonês, Piotr Paszkowski.

O aparelho caiu às 10H50 local (06H50 GMT) perto de uma pista de pouso situada na periferia da cidade de Pechersk, a alguns quilômetros de Smolensk.

O acidente ocorreu "em condições de névoa espessa", precisou o ministério russo das Relações Exteriores.

O subcomandante do Estado-Maior das Forças Aéreas russas, Alexandre Aliochine, revelou que os pilotos do avião ignoraram as instruções dadas pelos controladores aéreos russos.

"A uma distância de 1,5 Km, o grupo de controle aéreo detectou que os pilotos haviam acelerado a descida estando abaixo do nível de aproximação" determinado para a pista.

O chefe dos controladores "ordenou, então, à tripulação que retornasse a um voo horizontal nivelado e, ao verificar que as instruções não estavam sendo obedecidas, determinou várias vezes que pousassem em outro aeroporto". "Lamentavelmente, prosseguiram a descida que terminou em tragédia", afirmou o general Alyoshin.

As autoridades já encontraram as duas caixas-pretas do avião e todos os registros e os parâmetros do vôo estão em mãos da perícia, que vai esclarecer as causas da tragédia", declarou o ministro russo de Situações de Emergência, Sergue¯ Cho¯guou.

Após a notícia do acidente, a avenida diante do Palácio Presidencial de Varsóvia, as ruas próximas e a enorme praça Pilsudski foram ocupadas por milhares de pessoas, muitos portando círios para lembrar as vítimas da tragédia.

A União Europeia, através de sua presidência de turno, a Espanha, expressou "solidaridade" à Polônia.

A chanceler alemã Angela Merkel declarou-se "profundamente consternada".

O Papa Bento XVI afirmou ter tomado conhecimento "com profunda dor" da morte "trágica" do presidente polonês Lech Kaczynski.

"É com profundo pesar que soube da morte trágica do presidente Lech Kaczynski", declarou Bento XVI em telegrama dirigido ao presidente do Parlamento polonês, Bronislaw Komorowski.

Nos Estados Unidos, o presidente Obama afirmou que a morte do presidente Kaczynski representa uma grande perda para o mundo.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h00

    0,85
    3,154
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h04

    -1,24
    74.452,61
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host