UOL Notícias Notícias
 

11/04/2010 - 09h11

Defesa apresenta versão de agressão sexual para morte de neonazista sul-africano

Os dois camponeses negros acusados do assassinado do líder de extrema-direita branco sul-africano Eugène Terre'Blanche vão alegar legítima defesa por agressão sexual, informa a edição deste doimingo da revista Sunday Times, citando advogados.

"Segundo meu cliente, teria havido um ato de sodomia o que motivou o assassinato de Terre'Blanche", declarou Puna Moroko.

Defensor da supremacia dos brancos, Eugène Terre'Blanche foi golpeado até a morte no dia 3 de abril. Segundo a promotoria, foi encontrado em sua cama com as calças arriadas na altura do joelho.

Até agora, havia a informação de que o motivo do assassinato era o não pagamento de salário.

Dois camponenses, Chris Mahlangu, de 28 anos, e um menor, de 15, se entregaram à polícia, tendo sido indiciados pelo assassinato, entre outros crimes.

Segundo a versão do advogado Moroko, Eugène Terre'Blanche tentou embriagar os dois e chegou a agredir sexualmente "um deles".

A defesa do menor não quis entrar em detalhes. "Ocorreu algo chocante no dia do crime, o que será revelado em juízo", disse o advogado Zola Majavu.

Meu cliente "se submeteu aos testes necessários para apoiar meus argumentos", acrescentou.

O assassinato de Eugène Terre'Blanche havia reavivado a tensão racial na África do Sul, onde a cor da pele ainda é motivo de divisão, 16 anos depois do fim da política do apartheid.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    11h30

    0,14
    3,172
    Outras moedas
  • Bovespa

    11h38

    -0,43
    65.385,34
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host