UOL Notícias Notícias
 

14/04/2010 - 15h01

Austrália: cientistas usam reflexo condicionado para tentar salvar marsupiais

Cientistas australianos anunciaram, esta quarta-feira, ter conseguido ensinar os marsupiais, ameaçados de extinção, a evitar a ingestão dos venenosos sapos-cururu, uma medida que, acreditam, ajudará outras espécies ameaçadas a sobreviver.

Ecologistas da Universidade de Sydney revelaram ter conseguido treinar o gato-marsupial (Dasyurus hallucatus) a suprimir seus instintos e se recusar a comer os anfíbios invasores, que viraram praga em várias partes do país.

A ingestão desta espécie de sapo é fatal para os marsupiais. Mas os cientistas conseguiram condicioná-los a evitar se alimentarem destes animais na natureza, disponibilizando para eles sapos pequenos salpicados com um produto químico enjoativo.

A Austrália sofre com a praga de milhões de sapos-cururu, dotados de uma bolsa de veneno em suas cabeças, tóxicas o suficiente para matar cobras e crocodilos, e foram introduzidos nos anos 1930 para controlar a população de besouros.

"Ocorreu-me que se nós pudéssemos ensinar os gatos-marsupiais a associar o mal-estar aos sapos-cururu, poderíamos encontrar uma forma de preservá-los", disse o cientista Jonathan Webb.

Os resultados, publicados no Jornal de Ecologia Aplicada da British Ecological Society, demonstraram que os gatos-marsupiais jovens submetidos ao 'tratamento' de aversão pelo paladar eram mais propensos a associar o sapo-cururu à sensação desagradável e, assim, evitá-lo.

Os animais foram marcados antes de serem soltos na natureza e os pesquisadores descobriram que os gatos-marsupiais condicionados sobreviveram até cinco vezes mais que os outros.

"Nossos resultados demonstram que este tipo de abordagem funciona", disse Webb.

"Se você consegue ensinar ao predador que os sapos-cururu o fazem sentir-se doente, então o predador os deixará em paz em seguida. Como resultado, animais como os gatos-marsupiais podem sobreviver na natureza mesmo em uma área infestada por estes anfíbios", acrescentou.

O gato-marsupial enfrenta a ameaça de extinção em muitas partes do país, enquanto os sapos-cururu se espalham em alguns de seus poucos hábitats remanescentes.

Segundo os cientistas, o próximo desafio será aumentar a escala de seu trabalho para que faça a diferença em populações selvagens de outras espécies que se alimentam de sapo-cururu, como as iguanas e os lagartos de língua azul.

"Primeiro, temos que checar se a aversão que criamos aos sapos-cururu é duradoura", explicou o professor Rick Shine.

"Se for o caso, o próximo passo será refinar nossos métodos de entrega, por exemplo, talvez agências de proteção da vida selvagem pudessem distribuir por via aérea 'iscas anfíbias' antes da invasão de sapos-cururu para educar os marsupiais a evitar atacá-los", concluiu.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host