UOL Notícias Notícias
 

15/04/2010 - 20h09

Fracasso na investigação da morte de Bhutto foi deliberado

A polícia paquistanesa fez deliberadamente fracassar a investigação do assassinato da ex-primeira-ministra Benazir Bhutto, ocorrido em dezembro de 2007, afirma um relatório da ONU publicado nesta quinta-feira.

O fracasso da investigação "foi deliberado", diz o informe. Os policiais, "em parte temendo o envolvimento das agências de inteligência, estavam incertos sobre como deveriam atuar, mesmo sabendo, como profissionais, o que deveriam ter feito", acrescentou.

O painel afirma que a investigação do Paquistão "perdeu a direção, foi ineficaz e sofreu com a falta de interesse em identificar e trazer todos os criminosos à justiça".

Acrescenta ainda que era dever das autoridades paquistanesas promover uma "séria e confiável investigação que determinasse quem planejou, ordenou e executou esse crime hediondo... e trazer os responsáveis à justiça".

O relatório também conclui que o assassinato de Bhuto poderia ter sido evitado com medidas de segurança adequadas.

"O assassinato da senhora Bhutto poderia ter sido evitado com medidas de segurança adequadas", explicou o informe de um painel composto por três membros e encabeçado pelo embaixador do Chile na ONU, Heraldo Munoz.

O painel destaca que a responsabilidade na segurança de Bhutto no dia de seu assassinato repousava sobre "o governo federal, o governo de Punjab e o distrito policial de Rawalpindi".

"Nenhuma dessas entidades tomou as medidas necessárias para agir nas extraordinárias e urgentes situações de risco que ocorreram", acrescentou.

O painel de Munoz foi encarregado de estabelecer os fatos e circunstâncias da morte e não estava autorizado a identificar culpados.

Bhutto, a primeira mulher a se tornar primeira-ministra de um país muçulmano, foi morta no dia 27 de dezembro de 2007 em um ataque suicida e armado quando voltava de um comício em Rawalpindi, uma cidade próxima a Islamabad.

Os partidários de Bhutto lançaram dúvidas em uma investigação inicial paquistanesa sobre sua morte, questionando se ela foi morta com um tiro ou na explosão, e perguntando a mudança da cena do crime poucos minutos após a morte de Bhutto.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,71
    3,168
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,12
    68.634,65
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host