UOL Notícias Notícias
 

22/04/2010 - 16h22

Lenin cada vez mais esquecido nos 140 de seu aniversário de nascimento

Vladimir Ilitch Lênin, fundador da União Soviética para os mais antigos ou apenas uma estátua para os mais jovens, que nasceu há exatos 140 anos, cai cada vez mais no esquecimento, dando espaço a Stalin, símbolo da autoridade do Estado - um tema atual na Rússia há uma década.

Em menos de 20 anos, o número de russos que apontam Lênin como a "personalidade mais notável do mundo" caiu de 72% a 34%, segundo o centro russo independente de pesquisas Levada.

Paralelamente, três vezes mais russos (36% contra 12%) dão a Josef Stalin o título de sucessor de Lênin.

"Stalin simboliza as conquistas do império soviético e por isto seduz os russos mais que Lênin, de quem ainda existem mais de 16.500 estátuas na Rússia", explica Denis Volkov, sociólogo do Centro Levada.

A partir de 2000, com a chegada ao poder de Vladimir Putin - que buscava afirmar sua autoridade, após os tumultuados anos 1990 - a popularidade de Stalin aumentou, em detrimento de Lênin, cujo corpo embalsamado permanece num mausoléu aos pés do Kremlin.

"A propaganda estatal abandonou Lênin, dando preferência a Stalin, apresentado como um líder mais forte e responsável pela vitória dos soviéticos sobre os nazistas, acontecimento positivo que é, de longe, o mais importante do século passado para os russos", completa o sociólogo.

"Mas a oposição entre os dois tiranos é artificial", ressalta Valeri Jomiakov, diretor geral da ONG Conselho da Estratégia Nacional.

Para ele, "Lênin é o autor do terror vermelho que ordenou execuções em massa e preparou os crimes do stalinismo".

Mas até o fim da União Soviética em 1991, a reputação do pai da revolução bolchevique permaneceu inalterada, ao contrário de Stalin, que teve o culto a sua personalidade denunciado em várias oportunidades após a morte, em 1953.

No ensino fundamental, as crianças soviéticas memorizavam poemas sobre o "avô Lênin", exemplo de sobriedade e de altruísmo, em meio a imagens de quando o líder político ainda era um bebê.

Na universidade, o quebra-cabeças era o eterno enigma do regime, que afirmava que Lênin, falecido em 1924, estava "mais vivo que todos os vivos", ou aprendiam que o exame do cérebro do ditador, cuidadosamente conservado, permitia explicar de "onde vinha sua genialidade".

"A perestroika destronou Lênin", destaca o cientista político Gleb Pavlovski.

"A nova Rússia não queria mais que suas origens remontassem à Revolução de 1917 e queria esquecer Lênin", explica.

Revolucionário, antimonarquista, ateu ferrenho e internacionalista, Lênin não mobiliza as massas na Rússia, ao contrário de Stalin, imagem de um Estado nacional forte, segundo Pavlovski, que é ligado ao Kremlin.

"Com a aproximação da eleição presidencial (em 2012), os partidários de Putin (atual primeiro-ministro) cultivarão ainda mais a imagem de Stalin, e a de Lênin vai caindo no esquecimento", prevê Jomiakov.

Se a retirada do corpo da Praça Vermelha e a exumação ainda provoca debates acirrados, Lênin parece ter sido definitivamente enterrado pelos jovens.

"Lênin é uma estátua perto de nosso armazém", escreve Dacha, que está no primeiro ano do curso primário, durante um teste escrito organizado recentemente em uma escola moscovita. Para Tania, é um "homem com um gorro" e para Alexander "um cosmonauta".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host