UOL Notícias Notícias
 

23/04/2010 - 22h02

Arizona declara guerra a imigrantes ilegais

A governadora do Arizona, a republicana Jan Brewer, aprovou nesta sexta-feira uma lei que criminaliza os imigrantes ilegais neste estado que faz fronteira com o México. A lei é considerada a mais rígida dos Estados Unidos sobre o tema.

Brewer assinou a polêmica iniciativa acompanhada de todo seu gabinete, enquanto milhares de manifestantes protestavam contra a medida diante da sede do governo do Arizona.

"A lei que vou assinar, o projeto do Senado 1070, é outra medida de nosso estado que trabalha para resolver uma crise que não criamos e que o governo federal negou-se a solucionar", disse a governadora.

"Durante semanas, essa legislação foi objeto de um intenso debate e intensa crítica. Minha decisão de assinar não foi de nenhuma forma tomada de forma rápida. Escutei pacientemente ambos os lados", assegurou Brewer.

A lei torna crime residir no Arizona sem documentos migratórios e permite à polícia local pedir os documentos com base em "suspeitas razoáveis".

A legislação também criminaliza as pessoas que tiverem vínculos com os imigrantes ilegais, incluindo empregadores.

O presidente Barack Obama qualificou de "irresponsável" o projeto de lei, horas antes de sua promulgação.

"Dei instruções a membros do meu governo para que vigiem de perto a situação e examinem as implicações para os direitos civis desta legislação", disse Obama, antes de afirmar que a medida coloca em risco "noções básicas de justiça que tanto apreciamos".

O México reagiu advertindo que utilizará "todos os recursos" para proteger seus cidadãos afetados pela nova lei.

"O governo do México empregará todos os recursos a seu alcance para defender os direitos e a dignidade dos mexicanos no Arizona", assinalou a ministra mexicana das Relações Exteriores, Patricia Espinosa.

Ao menos 400 mil mexicanos residem no Arizona sem cumprir os requisitos legais de imigração e agora correm o risco de ser deportados.

Desde segunda-feira, centenas de defensores dos direitos dos imigrantes, ativistas e religiosos realizavam uma vigília, em frente a sede do governo do Arizona, em Phoenix, para pedir à governadora Brewer que vetasse o projeto.

Por ser um estado fronteiriço, o Arizona conta com uma grande população hispânica, de maioria mexicana, que ocupa empregos estáveis nos últimos anos devido à expansão do setor imobiliário e de serviços.

Para a União de Liberdades Civis do Arizona (ACLU, da sigla em inglês), a iniciativa aumenta "a preocupação sobre a prolongada detenção de cidadãos e residentes legais", muitos deles de origem hispânica, presos no passado apenas por suspeitas levantadas por suas características físicas.

Chris Newman, diretor da entidade National Day Laborer Organizing Network, havia classificado o projeto de lei como "odioso e insensato", afirmando que o Arizona "foi por longo tempo um laboratório de experimentações anti-imigrantes".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host