UOL Notícias Notícias
 

26/04/2010 - 11h18

Grécia anunciará novas medidas de poupança depois de negociar com UE e FMI

A Grécia anunciará novas medidas para reduzir seu déficit público quando concluírem as atuais negociações em Atenas com uma missão conjunta da União Europeia (UE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI), aos quais pediu, na sexta-feira passada, para ativar um programa de ajuda, anunciou nesta segunda-feira o ministro das Finanças grego.

A redução do déficit público, que alcançou 13,6% do PIB em 2009, "é uma direção com que nos comprometemos e que se traduz em medidas e políticas concretas, que serão anunciadas quando o processo tiver terminado", afirmou o ministro Giorgos Papaconstantinou em um comunicado.

O ministro acrescentou que existe uma posição comum que é simples, a de que a Grécia deve reduzir drasticamente seus déficits nos próximos anos, controlar sua dívida e fazer ajustes estruturais para tornar a economia grega mais competitiva.

Atualmente, o governo grego negocia com a UE, o FMI e também o Banco Central Europeu (BCE) medidas de poupança orçamentária para 2011 e 2012.

O estabelecimento dessas medidas é uma condição para obter essa ajuda. A Grécia, asfixiada por uma dívida cujo custo não para de subir, pediu na sexta-feira à União Europeia e ao FMI que ativem seu plano de ajuda ao páis, mesmo que a Alemanha, que será o principal contribuinte, continue impondo condições.

O primeiro-ministro grego, Giorgios Papandreu, qualificou a decisão de "necessidade nacional".

No entanto, a Alemanha, reticente a esse plano de ajuda desde o início, divulgou rapidamente suas condições.

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse que o mecanismo de ajuda poderá ser ativado somente se "a estabilidade do euro em seu conjunto" não for ameaçada, e se Atenas apresentar planos de redução de gastos "confiáveis" nos próximos dias.

O plano de ajuda à Grécia, construído pelos 16 países da zona euro além do FMI, prevê a concessão de empréstimos de 45 bilhões de euros (US$ 60 bilhões) com juros de 5%.

A Alemanha será o principal contribuinte, com 8,4 bilhões de euros. O FMI deve aportar outros 15 bilhões de euros.

Berlim teme que a ajuda à Grécia anime outros países altamente endividados a deixar aumentar o buraco de suas contas públicas.

Dessa forma, o presidente do Banco Central alemão, Axel Weber, advertiu contra o "risco de contágio" da crise da dívida grega aos países da zona do euro que "continuam tendo um déficit público muito elevado", como é o caso de Portugal, Irlanda ou Espanha.

Por outro lado, outros membros da zona do euro, como França e Espanha, comemoraram a iniciativa grega. A Casa Branca disse também que apoia o pedido de ajuda de Atenas.

O diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, prometeu responder rapidamente ao pedido de ajuda financeira da Grécia.

A Comissão Europeia, por sua vez, assegurou também que "tudo será feito rapidamente e de forma eficaz".

A Grécia, cuja dívida pública chega a 115,1% do PIB, deve reembolsar 30 bilhões de euros até o final do ano a seus credores.

A pressão aumentou fortemente na quinta passada, depois que a agência europeia de estatísticas, Eurostat, revisou o déficit orçamentário grego de 2009 em alta, cifrando-o em 13,6% do PIB. A moeda comum, o euro, se viu também castigada e caiu a seu nível mais baixo em um ano.

Segundo o procedimento previsto, a Comissão e o Banco Central Europeu (BCE), a quem o ministro das Finanças grego pediu oficialmente a ativação do mecanismo, avaliarão se o pedido está justificado.

Em um segundo momento, os 16 ministros das Finanças dos países da zona do euro devem dar seu consentimento, o que, a princípio, será um mero trâmite, já que acertaram o mecanismo em 11 de abril passado. Alguns países terão ainda de aprovar a concessão de ajuda em seus parlamentos nacionais, entre eles a Alemanha.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host