UOL Notícias Notícias
 

28/04/2010 - 11h25

Glossário do sistema de classificação de risco das agências

As três grandes agências internacionais de classificação de risco - Standard & Poor's, Fitch Ratings e Moody's - avaliam a solvência dos Estados ou de empresas, e o risco de calote de suas dívidas.

Também atribuem notas para a qualidade do endividamento dessas entidades, no curto e no longo prazo, sendo essa última observada mais de perto.

A classificação começa por AAA - a melhor - e vai até a D - calote -, passando por mais de vinte níveis intermediários que incluem símbolos como "+", "-", "1" ou "2" que são acrescentados à nota.

Dessa forma, podem ser encontradas classificações como AA+, A- ou Aa2, que permitem classificações mais de acordo com a situação dos diferentes credores.

De forma geral, as classificações podem ser divididas em duas grandes categorias: os "investimentos estáveis" ou "high grade", que correspondem às notas de AAA a BBB, e os "investimentos especulativos", com notas inferiores a BBB.

Categoria de investimento estável

AAA ou Aaa: nota reservada aos emissores sólidos com um risco de calote quase inexistente. É a melhor qualidade possível.

Aa ou AA: nota atribuída aos emissores de alta qualidade e confiáveis.

A: nota para os emissores de boa qualidade que são, no entanto, suscetíveis a mudanças da situação econômica.

Baa ou BBB: nota reservada aos emissores cuja solvência é intermediária, mas que se mantêm capazes de responder a suas obrigações.

Categoria de investimento especulativo

Ba ou BB: nota atribuída aos emissores que apresentam características especulativas, e que não estão seguros de serem capazes de responder a seus compromissos de longo prazo.

B: nota para os emissores cuja probabilidade de pagamento é incerta no longo prazo.

Caa o CCC : nota atribuída aos emissores especulativos nos quais o calote parece provável no longo prazo.

Ca o CC: nota atribuída aos emissores de caráter altamente especulativo, com risco de não pagar sua dívida.

C o D: nota atribuída aos emissores inadimplentes.

Há dois critérios que servem para calcular a capacidade de um Estado ou de uma empresa de fazer frente à sua dívida: seu nível de endividamento total e os fluxos de recursos recebidos a cada ano, que permitem pagar parte dessa dívida.

A classificação que um Estado tem leva em conta seu Produto Interno Bruto (PIB) - o conjunto de riquezas produzidas no país -, seu endividamento e suas receitas fiscais.

Quanto às empresas, o volume de negócios é mais imprevisível, e se os ativos valem pouco mais que sua dívida, se diz que ela conta com poucos fundos próprios, situação que pode pesar na classificação.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host