UOL Notícias Notícias
 

30/04/2010 - 19h36

Petróleo derramado no Golfo de México chega à Louisiana

O vazamento de petróleo no Golfo do México alcançou as costas da Louisiana e ameaça se tornar uma das maiores catástrofes ambientais da história dos Estados Unidos.

Billy Nungesser, chefe da administração da localidade de Plaquemines Parish, na Louisiana, declarou à AFP que a mancha de petróleo - originada em uma plataforma do grupo britânico BP que afundou em 22 de abril- alcançou na noite de quinta-feira a costa na região da foz do rio Mississippi.

A maré negra, de uma circunferência total de 960 km, não demorou a alcançar a costa, ameaçando o frágil ecossistema, apesar dos esforços para impedir o avanço realizados pela Guarda Costeira e pelo grupo British Petroleum (BP).

Os governadores da Louisiana e da vizinha Flórida declararam estado de emergência, e o presidente Barack Obama ofereceu "todos os recursos disponíveis", incluindo os militares, para evitar uma catástrofe ambiental.

A costa da Louisiana é um santuário de fauna, particularmente de aves marinhas, e a da Flórida abriga uma enorme indústria pesqueira e turística.

Além de declarar estado de emergência, o governador da Louisiana, Bobby Jindal, pediu a mobilização de 6.000 reservistas da Guarda Nacional.

O vazamento foi declarado catástrofe "de importância nacional", o que coloca recursos federais a serviço da emergência em questão. O anúncio foi precedido pela descoberta, na quinta, de um novo vazamento que verte no mar mais de 5.000 barris (800.000 litros) por dia", segundo o governo americano.

David Axelrod, conselheiro do presidente Obama, enfatizou hoje à cadeia de televisão ABC que "nenhuma nova perfuração foi autorizada e nenhuma será até que se tenha determinado o que aconteceu" com a plataforma.

Obama surpreendeu ao anunciar, em março passado, o fim de uma moratória sobre a exploração petroleira no mar, com a esperança de ganhar mais apoio para uma lei de redução das emissões de gases de efeito estufa.

O presidente afirmou em um discurso nos jardins da Casa Branca que seguia pensando "que a produção de petróleo americana tem um papel importante em nossa estratégia de segurança energética, mas sempre deve ser responsável pela segurança dos funcionários (do setor) e pela proteção do meio ambiente". Um porta-voz informou que Obama não descarta viajar ao local da tragédia.

Já a BP afirmou hoje, através de sua porta-voz Sheila Williams, que "assume toda a responsabilidade pela maré negra e pela limpeza", confirmando assim declarações do diretor-geral da companhia, Tony Hayward.

Williams informou que a petroleira britância pagará pelos danos e prejuízos às pessoas afetadas pela maré negra que tenham condições de "apresentar queixas legítimas". O governo americano aumentou a pressão contra a BP, ao afirmar que deve fazer mais para enfrentar o desastre.

Já os criadores de camarão da Louisiana apresentaram uma queixa contra a BP por "negligência" e "contaminação", para obter um ressarcimento de 5 milhões de dólares.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h04

    0,09
    63.311,19
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host