UOL Notícias Notícias
 

06/05/2010 - 08h06

França localiza caixas-pretas do voo AF447 em área do tamanho de Paris

A França anunciou nesta quinta-feira que as caixas-pretas do Airbus A330 da Air France que fazia o voo Rio-Paris e caiu em 1º de junho de 2009 no Atlântico, com 228 pessoas a bordo, foram localizadas em uma zona do "tamanho de Paris, onde o relevo submarino se assemelha à Cordilheira dos Andes".

Os especialistas da Marinha francesa puderam determinar uma zona com uma incerteza de três milhas náuticas, ou cinco quilômetros, anunciou o general Christian Baptiste, porta-voz adjunto do ministério francês da Defesa.

"Isto não significa que vamos encontrar as caixas-pretas, porque elas já não emitem sinal e porque a zona em que se encontram é muito acidentada", explicou imediatamente.

"Não há certeza de encontrar as caixas-pretas", insistiu.

"A zona em foram localizadas corresponde à superfície de Paris, onde é preciso encontrar objetos do tamanho de uma caixa de sapatos com um relevo submarino que corresponde à Cordilheira dos Andes", completou o general Baptiste.

Mas ele disse que este é um avanço, já que permite permite concentrar as buscas não mais em milhares de quilômetros, e sim em uma centena de quilômetros.

A zona de busca a 3.000 metros de profundidade é muito mais restrita que a área inicial, que passou de 17.000 km2 a 1.500 km2.

"A área de busca fica a 200 milhas náuticas (370 km) ao noroeste do arquipélago brasileiro de São Pedro e São Paulo, uma dezena de minúsculas ilhas rochosas que ficam 950 km ao nordeste da cidade de Natal", informa um comunicado da Marinha francesa.

Entre as 228 pessoas a bordo do AF447 estavam 72 franceses e 59 brasileiros.

O porta-voz adjunto do ministério francês explicou que a localização foi resultado de buscas de laboratório realizadas na França a partir de gravações feitas entre 10 de junho e 10 de julho de 2009 por especialistas em sonar do grupo francês Thales e da Marinha.

"É possível encontrar pedaços de destroços importantes do avião e, se tivermos sorte, talvez uma caixa-preta esteja presa entre os destroços da aeronave", disse Baptiste.

As caixas-pretas, que pesam 10 quilos cada e têm na verdade a cor laranja, registram todos os dados técnicos de um voo, incluindo as conversas na cabine, emitem um sinal de 30 a 42 dias.

Introduzidas nos aviões nos anos 60, as caixas permitem, em 90% dos acidentes aéreos, determinar as causas da tragédia.

Uma fonte do Escritório de Investigações e Análises (BEA), responsável pelas investigações técnicas da tragédia do voo AF447 que afirmou que a informação precisa ser "verificada e validada por nossas equipes e com nossas equipes nos navios que estão na zona de busca".

"Ao que parece, o ministério da Defesa trabalhou com imagens obtidas durante a primeira etapa das buscas, quando os registros de voo ainda emitiam um sinal", explicou a fonte.

Isto deve ter acontecido entre o início de junho e meados de julho de 2009.

Até o momento, o BEA considera que o mau funcionamento das sondas Pitot (sensores de velocidade) do avião é um dos fatores do acidente, mas as caixas-pretas são essenciais para determinar as causas.

Na terça-feira, o organismo anunciou que em 25 de maio começará a terceira etapa de buscas na área do acidente, pois considera que apenas as caixas-pretas permitirão a compreensão das causas exatas do acidente.

A Air France e a construtora europeia Airbus participam nos gastos das tarefas de busca submarina.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    09h49

    -0,38
    3,166
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,90
    67.976,80
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host