UOL Notícias Notícias
 

07/05/2010 - 21h19

Wall Street investiga a origem da violenta queda de quase 1.000 pontos

Simples ataque de pânico, falsa manobra de um corretor ou efeito perverso de um sistema cada vez mais informatizado? Ainda sob o efeito do choque, Wall Street e a SEC, US Securities and Exchange Commission, o organismo de regulação das Bolsas, tentavam nesta sexta-feira estabelecer a origem da violenta queda de quase 1.000 pontos de quinta-feira.

O presidente Barack Obama anunciou nesta sexta que as autoridades americanas investigam a "atividade incomum no mercado".

Segundo Obama, o assunto é avaliado detidamente, com a preocupação de proteger os investidores e evitar que o caso se repita. Os resultados da investigação serão divulgados publicamente, junto com recomendações para que sejam tomadas medidas apropriadas".

Andy Brooks, operador da bolsa de T. Rowe Price, culpou pelo fato o que chamou de 'fat fingers', que ocorre quando uma pessoa lança por erro uma informação incorreta no sistema.

"Soma-se ao mistério uma série de intercâmbios incomuns que envolviam ações da Procter and Gamble, que caíram 37% em determinado momento, e da 3M, que perderam 25%, iniciando uma reação em cadeia de vendas feitas por computador.

Rumores em Wall Street sugerem que um operador do Citigroup na bolsa de Chicago cometeu um erro e ordenou a venda de 16 bilhões de ações da Procter and Gamble em vez de 16 milhões.

Mais tarde, durante o dia, a Securities and Exchange Commission (SEC) e a Commodity Futures Trading Commission (CFTC) expressaram em nota que o episódio "é incompatível com um funcionamento eficaz de nosso mercado de capital pelo que faremos todas as mudanças necessárias, estrutural ou de outro tipo".

O pânico que derrubou o Dow Jones quinta-feira prosseguiu na Europa nesta sexta, com vários mercados perdendo mais de 4% uma hora antes do fechamento.

A situação, por sua vez, alimentou o temor nos Estados Unidos na abertura do pregão; o Dow Jones Industrial Average de Wall Street chegou a perder mais de 250 pontos.

O desabamento de quinta-feira aconteceu de repente, e durou 20 minutos. Foi tudo tão rápido que foi impossível para os investidores acompanhar o ritmo da perda de milhares de milhões de dólares.

No fechamento, o índice recuperou-se significativamente, embora com uma perda de 3%.

A comissão de finanças do Congresso marcou uma audiência para terça-feira para analisar o assunto.

Boris Schlossberg da Global Forex Trading, disse que a pergunta, agora, é "se se tratou de um fato único ou se foi o início de uma nova crise financeira que pode descarrilar a recuperação global e voltar a estimular as operações de risco".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host