UOL Notícias Notícias
 

08/05/2010 - 12h01

Ministros das Finanças europeus preparam fundo de emergência anticrise

Os principais líderes europeus esperam conter o risco de contágio da crise financeira grega com a criação de um fundo de emergência de ajuda aos países em dificuldades orçamentárias, cujo funcionamento será traçado no domingo pelos ministros das Finanças da Eurozona.

A Comissão Europeia trabalhava neste sábado para que os detalhes do fundo decidido pela reunião de cúpula de crise da Eurozona, que passou da meia-noite de sexta-feira, sejam conhecidos antes da abertura dos mercados financeiros na segunda-feira.

"O Executivo da União Europeia (UE) trabalha na proposta que fará ao Conselho (de ministros da UE) sobre um mecanismo de estabilização europeia destinado a preservar a estabilidade financeira de Europa", afirmou uma fonte da Comissão.

A Comissão vai se reunir no domingo em Bruxelas para discutir e aprovar o projeto, que será apresentado depois na reunião de emergência dos ministros das Finanças dos 27 países da UE.

Os ministros das Finanças devem aprovar o dispositivo, que será baseado em empréstimos feitos pela Comissão Europeia.

As inquietações sobre a capacidade de alguns países europeus de equilibrar suas finanças e pagar as dívidas provocaram sustos nos mercados financeiros, o que resultou na desvalorização do euro.

A tempestade financeira, que para muitos lembra a crise posterior à implosão dos "subprime" (créditos hipotecários de risco) em 2008 e poderia ameaçar a incipiente recuperação econômica, foi estimulada pela decisão dos europeus de emprestar bilhões de euros à Grécia para que o país consiga cumprir os vencimentos da dívida.

"Até domingo instalaremos uma linha de defesa da zona euro impermeável, para que esteja pronta antes da abertura dos mercados na segunda-feira", declarou o presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker.

Os governantes da Eurozona se comprometeram ainda a reforçar o pacto de estabilidade, o instrumento que limita os déficits públicos nacionais dos países, com um sistema de sanções mais eficaz.

Também se comprometeram a a acelerar os esforços de redução dos déficits nos próximos anos para tranquilizar os mercados sobre a confiabilidade do euro.

O primeiro-ministro português, José Sócrates, anunciou a intenção de reforçar o programa de austeridade e de adiar alguns investimentos públicos para acelerar a redução do déficit público em 2010.

"O governo decidiu reduzir o déficit este ano a 7,3% do Produto Interno Bruto (PIB), melhorando assim em um ponto o objetivo de 8,3% fixado no programa de estabilidade e de crescimento", declarou Socrates.

Alguns governantes, como o presidente francês Nicolas Sarkozy e a chanceler alemã Angela Merkel, questionaram a especulação nos mercados, acusada de agravar a crise.

Os 16 dirigentes da Eurozona também ressaltaram a necessidade de avançar rapidamente na regulação e supervisão dos mercados financeiros para enfrentar a especulação.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host