UOL Notícias Notícias
 
14/05/2010 - 17h30 / Atualizada 14/05/2010 - 17h49

Justiça espanhola suspende juiz Garzón, que não consegue evitar as lágrimas

Madri, Espanha, 14 Mai 2010 (AFP) -O célebre juiz espanhol Baltasar Garzon foi suspenso nesta sexta-feira de suas funções, até ser julgado, por ter querido investigar os crimes anistiados do franquismo - uma decisão que provocou a cólera das vítimas da ditadura, que denunciaram "um dia muito triste para a Espanha".

A decisão foi tomada por unanimidade pelo Conselho Geral do Poder Judiciário Espanhol (CGPJ), o órgão de governo dos juízes espanhóis, reunido em sessão extraordinária para decidir sobre o afastamento do magistrado da Audiência Nacional, principal instância penal do país.

O CGPJ anunciou a medida depois que o juiz do Supremo Tribunal, Luciano Varela, ordenou a abertura do julgamento oral contra Garzón, acusado de abuso de poder, por tentar investigar os crimes do franquismo sem supostamente ter competência jurídica para isso.

A data do julgamento ainda não foi fixada.

Garzón tentou realizar, em 2008, uma investigação sobre as 114.000 vítimas da Guerra Civil Espanhola (1936-1939) e os primeiros anos da ditadura franquista (1939-1975), alegando que o crime do desaparecimento forçado não prescreve. Foi a primeira tentativa deste tipo na Espanha.

Segundo a acusação, o juiz sabia que não tinha jurisprudência para tal, ignorando a lei de Anistia decretada, em 1977, para estes crimes.

Três organizações consideradas de extrema-direita, Mãos Limpas, Falange Espanhola e das JONS, e Liberdade e Identidade, abriram processo contra o juiz, de 54 anos, conhecido internacionalmente pela defesa da justiça universal e por ter determinado a prisão do ex-ditador chileno Augusto Pinochet em Londres, em 1998.

"Era algo esperado, o CGPJ não podia fazer outra coisa. Quando um juiz senta no banco dos réus, por um crime como abuso de poder, não resta outra opção a não ser suspendê-lo; primeiro porque é o que diz a lei e, depois, porque é a prática habitual", declarou o porta-voz da Associação de Juízes para a Democracia, Ignacio Espinosa.

Depois da suspensão, o presidente do CGPJ, Carlos Dívar, convocou uma sessão da Comissão Permanente deste órgão judicial para estudar o pedido de Garzón de ser tranferido como assessor do promotor da Corte Penal Internacional (CPI), o argentino Luis Ocampo, em Haia.

A sessão, no entanto, acabou sendo adiada, depois de duas horas de debates.

O procurador da CPI, o argentino Luis Moreno Ocampo havia convidado Garzón para trabalhar como seu assessor por um período inicial de sete meses.

Antes disso, depois de conhecer a decisão do CGPJ, Garzón abandonou a Audiência Nacional entre abraços de amigos e colegas e expressões de protestos por seu afastamento.

O magistrado não conseguiu evitar as lágrimas, ao deixar o lugar onde trabalhou por mais de 20 anos.

À tarde, centenas de pessoas se concentraram diante da Audiência Nacional, aos gritos de "Garzón, amigo, estamos contigo!" mostrando bandeiras republicanas e fotos das vítimas da ditadura franquista.

A suspensão será mantida até que o juiz seja julgado e se a sentença for condenatória, ele poderá ficar inabilitado por até 20 anos, o que, na prática, supõe o fim de sua carreira.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host