UOL Notícias Notícias
 
14/05/2010 - 14h37 / Atualizada 14/05/2010 - 14h40

Zapatero nega que França tenha ameaçado deixar o euro

MADRI, 14 Mai 2010 (AFP) -O governo espanhol desmentiu nesta sexta-feira anúncio feito pelo chefe de governo, José Luis Rodríguez Zapatero, de que o presidente francês, Nicolas Sarkozy, ameaçou tirar a França da zona do euro para pressionar a Alemanha, tal como foi informado pelo jornal El País (centro-esquerda).

A informação "não tem fundamento", declarou à AFP uma fonte da presidência do governo espanhol, referindo-se à edição do jornal, desta sexta-feira, segundo a qual o chefe do governo espanhol teria comentado, informalmente, que Sarkozy ameaçara tirar a França do euro para obrigar a Alemanha a aceitar o plano de resgate à Grécia.

"Não me consta que essa informação esteja correta", afirmou, por sua vez, a vice-presidente do executivo espanhol, María Teresa Fernández de la Vega, em coletiva de imprensa realizada depois de uma reunião de ministros.

O jornal, próximo aos socialistas da situação, afirmou que Zapatero fez tais declarações durante uma reunião na quarta-feira com líderes de seu Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), em Madri.

O presidente francês exigiu na sexta-feira passada um "compromisso de todos, para ajudar a Grécia, cada um em sua medida, ou a França reavaliará sua situação no euro", teria dito Zapatero, segundo o El País, que não identifica a pessoa que transmitiu a declaração.

"Sarkozy chegou a dar um soco na mesa e ameaçar retirar-se do euro, o que obrigou (a chanceler alemã) Angela Merkel a ceder e chegar a um acordo", segundo outro líder socialista que também teria ouvido as supostas palavras.

"França, Itália e Espanha formaram uma frente comum diante da Alemanha, e Sarkozy chegou a ameaçar Merkel com a quebra do tradicional eixo franco-alemão", motor da União Europeia, afirmou outro participante da reunião.

Em Paris, um funcionário próximo a Sarkozy desmentiu a informação à AFP, qualificando-a de "rumor totalmente infundado, como acaba de confirmar o governo espanhol".

Uma porta-voz do governo alemão também desmentiu a informação considerando-a "sem nenhum fundamento".

Questionado pela AFP sobre o tema, o El País afirmou que "a redação confirma o conteúdo de seu artigo".

Os chefes de Estado e de governo da zona do euro reuniram-se na sexta-feira em Bruxelas para aprovar o plano de ajuda à Grécia, um superpacote de 110 bilhões de euros em empréstimos durante três anos, financiado pela zona do euro e pelo FMI, ao qual a chanceler Merkel tinha se mostrado reticente nas semanas anteriores.

Essa resistência de Merkel ocorre porque a ajuda à Grécia é bastante impopular entre os alemães. Seus opositores também reprovam o fato de a Alemanha ter cedido a Sarkozy a liderança na Europa durante a gestão da crise grega.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,21
    3,129
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h35

    0,04
    76.004,15
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host