UOL Notícias Notícias
 
21/05/2010 - 13h31 / Atualizada 21/05/2010 - 13h39

Célula sintética é "um motor muito bom, mas não é a vida": Vaticano

Cidade do Vaticano, Santa Sé, 21 Mai 2010 (AFP) -O jornal do Vaticano L'Osservatore Romano, ao noticiar nesta sexta-feira a criação da primeira célula viva dotada de um genoma sintético, afirmou tratar-se de "um motor muito bom, mas não é a vida".

O jornal anuncia na primeira página a descoberta científica e confia ao pediatra Carlo Bellieni a tarefa de fazer o primeiro comentário oficial da Santa Sé.

Trata-se de "um trabalho de engenharia genética de alto nível", mas "na realidade, a vida não foi criada", só "houve uma substituição em um de seus motores", escreveu o médico.

"Mais além das proclamações e das manchetes, foi conseguido um resultado interessante que pode ter aplicações e regras, como acontece com tudo o que toca o coração da vida", afirma.

Ao destacar que "a engenharia genética pode trabalhar para o bem", entre outras questões no tratamento de "enfermidades cromossômicas", pede "muita precaução".

"As ações sobre o genoma podem - e o desejamos - curar, mas entram num terreno muito frágil no qual o entorno e a manipulação desempenham papel que não deve ser subestimado", destaca o médico.

"O DNA não é um motor do qual se muda um êmbolo, mas uma parte do ser vivo no qual estímulos inoportunos, embora realizados com boa intenção, podem 'apagar' os genes de forma inesperada", explica, recordando as preocupações com "os possíveis desenvolvimentos futuros dos organismos geneticamente modificados".

A criação da primeira célula viva dotada de um genoma sintético foi revelada na quinta-feira, abrindo o caminho para a fabricação de organismos artificiais, segundo os autores da pesquisa realizada nos Estados Unidos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host