UOL Notícias Notícias
 
21/05/2010 - 18h44 / Atualizada 21/05/2010 - 19h47

Dilma Rousseff: Brasil está preparado para ser dirigido por uma mulher

nova york, EUA, 21 Mai 2010 (AFP) -A pré-candidata à sucessão de Luiz Inacio Lula da Silva na presidência do Brasil, Dilma Rousseff, apresentou-se nesta sexta-feira em Nova York como a responsável pela continuidade e a estabilidade, asegurando que o país está preparado para ser dirigido por uma mulher.

Em Nova York, a ex-ministra e chefe de Gabinete de Lula insistiu sobre a preservação do legado de Lula, cuja principal conquista, segundo ela, foi tirar 14 milhões de brasileiros da pobreza.

"O Brasil vai continuar crescendo, com inclusão e mobilidade social ascendente", disse Rousseff à imprensa após uma conferência em um hotel de Manhattan, onde conversou com empresários e políticos dos Estados Unidos.

Segundo a candidata de Lula, em seu governo o Brasil "manterá a estabilidade macroeconômica por meio do controle da inflação com uma política de metas, do controle fiscal através da redução do endividamento, e com uma política cambial flexível".

Em relação às privatizações, Dilma Rousseff disse claramente que "não se deve privatizar a Petrobras, a Eletrobrás nem outras empresas do setor elétrico".

No entanto, indicou, "somos favoráveis a conceder à iniciativa privada novas centrais hidrelétricas e estradas, quando for mais barato fazê-lo por meio de concessões do que com obras públicas".

Em resposta a outra pergunta, Dilma - que corrigiu várias vezes uma intérprete por traduzir com erros para o inglês o que ela dizia - assegurou que seu eventual governo "manterá a autonomia operacional do Banco Central".

Os erros da intérprete continuaram, depois, exasperando a candidata, até que no final conseguiu substitui-la por outro tradutor mais eficiente. "Traduzo melhor do chinês para o português", comentou.

A candidata insistiu no legado de Lula - principalmente pelo fato de ter tirado vários milhões de brasileiros da pobreza - e na necessidade de preservá-lo.

Segundo ela, uma das principais diferenças em relação ao atual presidente é o fato de ser mulher. "O Brasil está preparado para ser dirigido por uma mulher", acrescentou a candidata.

"De certa forma - disse - o legado de Lula inclui minha presença".

Dilma também afirmou que sua condição de mulher "é algo importante para o Brasil" depois de assinalar que uma das virtudes do sexo feminino é "saber cuidar".

A ex-guerrilheira insistiu em que será cuidadosa em preservar a estabilidade macroeconômica.

Ouvida sobre política externa, Dilma referiu-se ao acordo conseguido durante a semana por Lula com o Irã, que não evitou a promoção pelos Estados Unidos na ONU de novas sanções contra Teerã.

"Nas relações internacionais, ninguém fica decepcionado porque esse é um sentimento que não se aplica à relação entre países", disse, referindo-se ao Brasil e aos Estados Unidos.

No entanto, enfatizou, "o mundo não necessita de uma nova guerra como a que ocorreu no Iraque". "O que procuramos é uma diplomacia que promova o diálogo e a paz".

"Não vemos muitos resultados objetivos, nem com a guerra nem com a política de sanções", comentou a candidata. "Vemos um agravamento da situação". "Em vez de construir muros, é preciso abrir portas", concluiu.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    15h30

    -0,28
    3,127
    Outras moedas
  • Bovespa

    15h31

    -1,00
    75.215,58
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host