UOL Notícias Notícias
 
24/05/2010 - 13h25 / Atualizada 24/05/2010 - 13h25

China e EUA buscam aprofundar sua relação comercial e superar divergências

PEQUIM, China, 24 Mai 2010 (AFP) -Estados Unidos e China, primeira e terceira economias mundiais, respectivamene, abriram nesta segunda-feira, em Pequim, uma reunião anual de altos dirigentes com o objetivo de estreitar os laços comerciais destas potências duas potências e superar divergências, num contexto de crise na península coreana.

"Nossas economias se tornaram inseparáveis", declarou o vice-primeiro-ministro Wang Qishan.

"Ambos os países foram amplamente beneficiados com a abertura do comércio e dos investimentos", declarou, por sua vez, o secretário americano do Tesouro, Timothy Geithner, defendendo "um sistema de comércio mundial mais aberto, no qual os países podem competir igualmente".

Apenas do lado americano, 200 delegados estão presentes - "o maior número de dirigentes governamentais em um encontro mundial", enfatizou a secretária americana de Estado, Hillary Clinton.

"Não estaremos de acordo em todas as questões, mas discutiremos sobre tudo abertamente", prometeu Hillary.

No domingo, a secretária defendeu a necessidade de um acesso igual para empresas no mercado, um dos pontos de discórdia entre Washington e Pequim. Já o presidente chinês Hu Jintao, reiterou, nesta segunda-feira, a vontade de seu país em seguir a reforma nas taxas de câmbio, sem, no entanto, fixar um calendário.

Washington também critica a política cambiária da China, primeiro exportador mundial, que mantém sua moeda, o iuane ancorada ao dólar desde julho de 2008 com o objetivo de sustenar o setor de manufaturas muito golpeado pela crise internacional e que emprega milhões de pessoas.

Temas como energia e clima também devem ser debatidos, depois do fiasco da conferência do clima de Copenhagen e, agora, com a expectativa da do México que ocorrerá em novembro deste ano.

Paralelo ao comércio, Hillary insistiu em Pequim que China e Estados Unidos devem trabalhar juntos para solucionar a crise na península coreana, depois do ataque de Pyongyang contra uma converta norte-americana.

"A Coreia do Norte é uma preocupação urgente", afirmou Hillary.

"Devemos novamente trabalhar juntos para fazer frente ao desafio (...) visando à paz e à estabilidade na península coreana", lançou, dirigindo-se aos dirigentes chineses, destacando que os Estados Unidos "trabalham duro para evitar uma escalada" na península coreana.

O presidente Barack Obama ordenou a revisão da política de Washington em relação à Coreia do Norte e aprovou a ideia de aplicar sanções para apoiar seu aliado Coreia do Sul ante qualquer agressão de Pyongyang.

Os Estados Unidos e outras potências ocidentais condenaram o ataque, mas a China, por sua vez, recebeu com frieza as conclusões da comissão investigadora internacional, limitando-se a pedir cautela a ambas as partes.

A corveta de 1.200 toneladas explodiu e naufragou em 26 de março passado, matando 46 marinheiros, quando se deslocava na zona da ilha de Baengnyeong, no Mar Amarelo, na fronteira marítima com a Coreia do Norte.

Uma investigação internacional sobre o naufrágio da "Chenoan" revelou que o navio foi torpedeado por um submarino norte-coreano.

Pyongyang negou as acusações e afirmou que Seul fabricado provas de seu envolvimento no caso. Além disso, afirmou que os dois países estão 'perto de uma guerra'.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host