UOL Notícias Notícias
 
24/05/2010 - 10h28 / Atualizada 24/05/2010 - 10h29

Irã entrega à AIEA acordo fechado com Brasil e Turquia

VIENA, Áustria, 24 Mai 2010 (AFP) -O Irã entregou nesta segunda-feira, em Viena, ao presidente da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Yukiya Amano, uma carta na qual notifica ao organismo da ONU sobre o acordo acertado com o Brasil e a Turquia para o enriquecimento de urânio iraniano em território turco, afirmou Gill Tudor, porta-voz da agência.

Apesar de o regime islâmico iraniano afirmar que seu programa nuclear é apenas civil e pacífico, as grandes potências e a Organização das Nações Unidas (ONU) suspeitam que o Irã queira obter a arma atômica.

Diplomatas iranianos entregaram a carta de notificação do acordo tripartite assinado pelo chefe da Organização de Energia Atômica Iraniana, Ali Akbar Salehi, durante uma reunião na residência do diretor geral da AIEA, o japonês Yukiya Amano, em Viena.

Diplomatas turcos e brasileiros, de países membros não-permanentes do Conselho de Segurança da ONU, estavam presentes nesse encontro de cerca de quarenta minutos.

No documento entregue à AIEA, Teerã estipula que "a República Islâmica do Irã anuncie seu acordo com o conteúdo da declaração tripartite (Irã-Turquia-Brasil), e afirme que seus diferentes artigos estão ligados entre eles e que cada um tem uma importância particular", segundo trechos divulgados pela agência de notícias iraniana Irna.

O acordo de iranianos, turcos e brasileiros, assinado no dia 17 de maio em Teerã durante uma visita do presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva e do chefe de governo turco, Recep Tayyip Erdogan, prevê a troca na Turquia de 1.200 kg de urânio iraniano levemente enriquecido (3,5%) por 120 kg de combustível enriquecido a 20% fornecido pelas grandes potências e destinado ao reator de pesquisas nucleares para fins médicos de Teerã.

"Esperamos da agência, em conformidade com o artigo 6 da declaração, que informe ao grupo de Viena (Estados Unidos, Rússia, França) e que nos transmita a resposta positiva desse grupo", "o que permitirá iniciar as negociações sobre os detalhes da troca do combustível", indicou Ali Akbar Salehi em sua carta.

Pouco depois da reunião, um porta-voz da AIEA, Gill Tudor, confirmando o teor do documento, anunciou que Yukiya Amano "vai transmitir a carta aos Estados Unidos, à Rússia e à França".

Esses três países haviam proposto em outubro de 2009 um outro procedimento de troca de urânio a qual o Irã não deu prosseguimento. As grandes potências recusaram uma contraproposta iraniana defendendo a realização de uma troca simultânea em território iraniano de urânio levemente enriquecido no Irã pelo combustível mais enriquecido fornecido por França e Rússia.

Depois dessa proposta, o estoque de urânio levemente enriquecido do Irã registrou forte aumento, passando de 1.200 kg em outubro para pouco mais de 2.000 kg em fevereiro, data do último relatório de inspeção da AIEA (o próximo é aguardado para junho). Segundo especialistas, o estoque deverá ser atualmente de cerca de 2.400 kg.

O presidente do Parlamento iraniano, Ali Larijani, havia pedido firmemente no sábado que o grupo de Viena não exija garantias suplementares, sob pena de tornar caduco o acordo tripartite. O vice-presidente do Parlamento, Mohammad Reza Bahonar, havia advertido no dia 20 de maio que Teerã denunciaria o acordo se o Conselho de Segurança aplicasse novas sanções.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host