UOL Notícias Notícias
 
26/05/2010 - 10h45 / Atualizada 26/05/2010 - 11h21

Ahmadinejad cobra dos EUA e da Rússia apoio a acordo nuclear


Em Teerã

O presidente iraniano Mahmud Ahmadinejad afirmou nesta quarta-feira que os Estados Unidos e a Rússia devem apoiar o acordo sobre a troca de combustível nuclear acertado com Brasil e Turquia, classificando-o de última oportunidade para resolver seu conflito com as grandes potências.

"A declaração de Teerã (sobre um acordo de troca de combustível) constitui a melhor oportunidade; demos um grande passo à frente e dissemos algo muito importante. Já não existem mais desculpas", afirmou Ahmadinejad em uma declaração por televisão, dirigindo-se aos líderes americano e russo.

Raio-x do Irã

  • Nome oficial: República Islâmica do Irã
    Capital: Teerã
    Tipo de governo: República Teocrática
    População: 66.429,284
    Idiomas: Persa e dialetos persas 58%, turcomano e dialetos turcos 26%, curdo 9%, luri 2%, balochi 1%, árabe 1%, turco 1%, outros 2%
    Grupos étnicos: Persas 51%, azeris 24%, e gilakis mazandaranis 8%, curdos 7%, árabes 3%, lurs 2%, balochis 2%, turcomenos 2%, outros 1%
    Religiões: Muçulmanos 98% (xiitas 89% e sunitas 9%), outras (que inclui zoroastras, judeus, cristãos, e bahais) 2%
    Fonte: CIA Factbook


O presidente Barack Obama deve saber "que, se não aproveitar esta oportunidade, os iranianos certamente não lhe dará outra", afirmou.

Ahmadinejad também denunciou a postura do presidente russo, Dimitri Medvedev, cujo país é aliado tradicional do Irã, a quem acusou de "sentar-se ao lado daqueles que foram nossos inimigos durante 30 anos".

"Esperamos que os dirigentes russos ficarão atentos, que reagirão e que não forçarão os iranianos a considerá-los da mesma maneira que seus inimigos históricos", afirmou.

A Rússia não demorou a denunciar o que chamou de "demagogia política" das críticas do presidente iraniano.

"Ninguém consegue conservar sua autoridade ao utilizar a demagogia política", declarou Serguei Prikhodko, conselheiro diplomático do Kremlin.

citado pelas agências russas, ao ser indagado sobre as declarações de Ahmadinejad.

A Rússia, que geralmente apoia o Irã, demonstrou recentemente sua irritação ante Teerã por seu controvertido programa nuclear.

"Existem pessoas no mundo e na América que insistem em enfrentar Obama com os iranianos, em empurrá-lo a um ponto sem volta para forçá-lo a fazer algo que bloqueará para sempre a vida da amizade com os iranianos", acrescentou o presidente ultraconservador iraniano.

O Irã notificou na segunda-feira a Agência Internacional de Energia Atômica, em Viena, do acordo a três estabelecido entre Irã, Brasil e Turquia, sobre a troca de urânio. Com a carta, Teerã pretende tranquilizar a comunidade internacional sobre seu programa atômico.

O documento, assinado pelo chefe da Organização de Energia Atômica iraniano, Ali Akbar Salehi foi entregue durante uma reunião na residência na Áustria do diretor geral da AIEA, o japonês Yukiya Amano.

As potências ocidentais receberam o acordo com desconfiança e ameaçaram com novas sanções contra o Irã por seu controvertido programa nuclear.

O pacto entre Irã, Turquia e Brasil, de 17 de maio passado, foi assinado em Teerã durante visita do presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, e do chefe do governo turco, Recep Tayyip Erdogan.

Ele prevê o intercâmbio na Turquia de 1.200 quilos de urânio enriquecido a 3,5% contra 120 quilos de combustível enriquecido a 20% repassado pelas grandes potências e destinado ao reator nuclear de pesquisa médica de Teerã.

 

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host