UOL Notícias Notícias
 
27/05/2010 - 11h30 / Atualizada 27/05/2010 - 11h43

Coreia do Norte anuncia fim de acordos militares com o Sul

Seul, 27 Mai 2010 (AFP) -O Exército da Coreia do Norte anunciou nesta quinta-feira o fim de um acordo para prevenir um conflito armado com a Coreia do Sul, em meio à grave crise provocada pelo afundamento de uma corveta sul-coreana em março, atribuído por uma comissão de investigação internacional a um submarino norte-coreano.

A Marinha sul-coreana executou nesta quinta-feira um grande exercício antissubmarinos, a primeira demonstração de força desde o aumento da tensão com o Norte pelo afundamento do navio sul-coreano, do qual Seul acusa Pyongyang.

No exercício, de apenas um dia, participaram 10 navios de guerra, entre eles um destroier de 3.000 toneladas e três patrulheiros, segundo a agência de notícias Yonhap.

O comandante do Estado-Maior de Pyongyang ameaçou ainda com um ataque imediato se a Coreia do Sul violar a fronteira no Mar Amarelo, destacou a agência oficial norte-coreana KCNA.

Em Seul, quase 10.000 manifestantes, incluindo ex-combatentes de guerra, pediram vingança pela morte dos 46 marinheiros da corveta "Cheonan", que afundou no dia 26 de março no Mar Amarelo.

"Morra Kim Jong-Il!", gritavam os manifestantes contra o líder norte-coreano, filho e sucessor do fundador da República Popular Democrática da Coreia, Kim Il-Sung.

Esta nova crise entre as Coreias, separadas desde a guerra que começou em 1950 e terminou, com a assinatura de um armistício, em 1953, começou na semana passada com a publicação dos resultados de uma investigação internacional que acusa diretamente o Norte.

O governo dos Estados Unidos anunciou apoio a Seul, que pretende reclamar ao Conselho de Segurança da ONU novas sanções contra Pyongyang.

A Coreia do Sul acredita que após a investigação internacional, China e Rússia, até agora reservadas, não poderão negar os fatos.

A diplomacia russa destacou, no entanto, que o caso não pode ser transmitido ao Conselho de Segurança "sem provas a 100%".

Moscou anunciou ainda o envio a Seul de uma equipe de especialistas russos para revisar a investigação.

O primeiro-ministro chinês Wen Jiabao é aguardado na sexta-feira na capital sul-coreana. Um diplomata que acompanhou a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, quarta-feira em Seul, indicou que a visita pode significar uma aproximação de Pequim da posição da Coreia do Sul.

Nesta quinta-feira, na sequência da guerra de comunicados, o Exército norte-coreano anunciou o fim de um acordo destinado a prevenir qualquer confronto armado com a Coreia do Sul, informou a agência oficial norte-coreana KCNA.

Em uma mensagem enviada às Forças Armadas sul-coreanas, o comandante do Estado-Maior norte-coreano advertiu para um ataque imediato se o Sul violar a fronteira no Mar Amarelo.

O Mar Amarelo, na costa ocidental da península coreana, foi cenário de vários incidentes fatais entre as forças navais dos dois países, sobretudo em 1999 e 2002.

Pyongyang destacou ainda que não garante mais a segurança dos sul-coreanos que viajarem a seu território. Também planeja cortar completamente o acesso ao complexo industrial de Kaesong, financiado por Seul, e situado ao norte da fronteira.

O Parque Industrial de Kaesong, aberto em 2005 e que teve o funcionamento prejudicado nos últimos meses em consequência das tensões bilaterais, emprega 42.000 norte-coreanos, que trabalham para 110 empresas do Sul que geram mensalmente milhões de dólares em bens manufaturados (roupas, utensílios de cozinha, entre outros).

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    11h30

    -0,06
    3,134
    Outras moedas
  • Bovespa

    11h34

    -0,06
    75.931,38
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host