UOL Notícias Notícias
 
06/06/2010 - 14h59 / Atualizada 06/06/2010 - 15h06

OEA inaugura assembleia em Lima dedicada ao armamentismo na região

LIMA, 6 Jun 2010 (AFP) -A Organização dos Estados Americanos (OEA) celebra, a partir deste domingo, em Lima, sua 40ª assembleia geral ordinária, na presença de 33 chanceleres de seus países-membros, convocados para debater o controle de armas na região e o retorno de Honduras ao organismo.

O Peru espera alcançar um acordo sobre sua proposta de limitar as compras de armas na região, durante o fórum que será inaugurado na noite deste domingo pelo secretário-geral, o chileno José Miguel Insulza, e pelo presidente peruano, Alan García.

"O Peru propôs este tema para fortalecer medidas de confiança para limitar o gasto de armas", disse o chanceler peruano José García Belaunde, pouco antes da abertura da assembleia, que tem como tema "Paz, segurança e cooperação nas Américas".

Insulza informou que a assembleia geral emitirá uma declaração sobre o controle de armas e avaliará os mecanismos de controle.

A cerimônia está prevista para as 19h00 locais (21h00 de Brasília), na sede do Museu da Nação, em Lima. Posteriormente, o governo peruano oferecerá uma recepção para as delegações participantes.

Antes do ato, Insulza e os chefes das delegações participaram, na manhã deste domingo, de um diálogo com os representantes regionais dos sindicatos, do setor privado e da sociedade civil (ONGs).

Durante o encontro, as discussões giraram em torno do tema da assembleia.

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, chegará a Lima na noite de domingo e se somará, na segunda-feira, aos chanceleres que se reunirão no mesmo dia e na terça-feira.

Em um projeto de declaração final discutido na terça-feira, em Washington, os membros da OEA ressaltaram "a importância de promover o controle de armamentos" e reiteraram que a América Latina deve continuar sendo uma zona de não-proliferação nuclear.

Este projeto de declaração deve ser aprovado pelos chanceleres dos países-membros da OEA, em Lima.

O controle da corrida armamentista na América Latina foi o tema escolhido pelo Peru, anfitrião do encontro, diante do considerável aumento de gastos militares na região nos últimos anos.

Em 2008, a América Latina gastou 38 bilhões de dólares em armamentos. O gasto aumentou 150% no período 2005-2009 com relação a 2000-2004, segundo dados apresentados pelo chanceler peruano, José García Belaunde, há dois meses perante o Conselho Permanente da OEA.

De qualquer forma, os especialistas asseguram que ainda não se pode falar de uma corrida armamentista na América Latina, onde o gasto em armas é moderado com relação a outras regiões.

O caso de Honduras, suspensa desde junho de 2009 como membro da OEA, por causa do golpe de Estado que depôs o ex-presidente Manuel Zelaya, será abordado no encontro de Lima, apesar de não constar da agenda, disse Insulza no sábado.

"Existe um estado de ânimo para resolver no curto prazo a situação de Honduras", afirmou o secretário-geral da OEA.

Insulza assegurou que o caso "seria discutido pelos chanceleres durante a sessão da segunda-feira à tarde, com agenda livre".

Cerca de 4.000 policiais garantirão a segurança do conclave da OEA.

Cuba permanece autoexcluída do organismo, depois da revogação de sua suspensão em junho de 2009, que datava de 1963.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,21
    3,129
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h15

    0,02
    75.991,62
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host