UOL Notícias Notícias
 
10/06/2010 - 16h53 / Atualizada 10/06/2010 - 17h00

Colômbia: coronel é condenado por desaparecimentos em 1985

BOGOTÁ, 10 Jun 2010 (AFP) -A condenação a 30 anos de prisão para o coronel Alfonso Plazas pelo desaparecimento em 1985 de 11 pessoas após a ocupação promovida pela guerrilha do M-19 da Corte Suprema de Justiça da Colômbia, causou nesta quinta-feira alegria entre os familiares e o lamento do presidente Alvaro Uribe.

A decisão que a juíza de Bogotá María Stella Jara proferiu nesta quarta-feira é a primeira quase 25 anos depois desse episódio no qual morreram 95 pessoas, entre elas 11 juízes.

O presidente Uribe, o ministro da Defesa, Gabriel Silva, e a cúpula militar solidarizaram-se com o agora coronel da reserva Plazas que foi um dos militares que comandaram a operação de recuperação do edifício ocupado violentamente pela então guerrilha nacionalista do M-19.

"Sinto dor pelas Forças Armadas da Colômbia. Percebo uma profunda reação de desmotivação nas Forças Armadas com essa sentença", disse Uribe nesta quinta-feira ao comentar a decisão, que exigiu a investigação da cúpula militar da época e a responsabilidade política do ex-presidente Belisario Betancur (1982-1986).

Uribe, que se caracterizou por uma política de linha dura contra a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), defendeu a atuação do ex-presidente conservador.

"Quando há boa fé e quando há patriotismo, não há espaço para o dolo. Exclui-se totalmente o delito. Então eu também expresso minha dor frente a esse pedido de investigação ao presidente Betancur", disse o presidente.

O ministro Silva e a cúpula militar liderada pelo general Freddy Padilla, comandante das Forças Militares, disseram em um comunicado que "esse sentimento de dor e de tristeza é repartido em todos os níveis pelos soldados de terra, mar e ar, pelos policiais e suas famílias".

Diante das reações de Uribe e dos líderes castrenses, o presidente da Corte Suprema de Justiça, Jaime Arrubla, defendeu a decisão da juíza, que será apelada, segundo anunciou o advogado Jaime Granados, que defende Plazas.

"O que seria da Colômbia se seus cidadãos não tivessem juízes independentes?", perguntou o juiz, ao responder a jornalistas sobre os questionamentos de Uribe e dos militares à decisão, qualificada de "histórica" pela imprensa.

Os familiares das 11 pessoas que, segundo a procuradoria, saíram com vida da sede da Corte Suprema, mas depois desapareceram após a recuperação do edifício, feita pelos militares às custas de muito sangue, comemoraram a sentença, apesar de ainda exigirem saber qual foi o destino dos desaparecidos.

"A condenação depois de quase um quarto de século é um exemplo, mas ainda não encontramos uma resposta à pergunta sobre onde estão os desaparecidos do Palácio de Justiça", disse à emissora de rádio RCN René Guarín, irmã de Cristina Guarín, uma dos desaparecidos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host