UOL Notícias Notícias
 
12/06/2010 - 11h55 / Atualizada 12/06/2010 - 12h04

Igreja católica cubana anuncia liberação de preso político paraplégico

HAVANA, 12 Jun 2010 (AFP) -O regime cubano vai liberar em breve o preso político Ariel Sigler Amaya, portador de uma paralisia, como resultado de um diálogo entre a Igreja Católica e o presidente Raúl Castro, informou nesta sexta-feira o Arcebispado de Havana.

O cardeal Jaime Ortega foi informado pelas autoridades que Sigler, internado no hospital 'Julito Díaz' de Havana, e que cumpre uma condenação de 20 anos, receberá "licença extrajudicial". Além disso, outros seis presos políticos serão trasladados neste sábado a prisões localizadas em suas províncias, segundo comunicado do Arcebispado.

Sigler e outros seis presos políticos fazem parte do grupo de 53 ainda na prisão, de um total total de 75 dissidentes detidos em março de 2003. Vinte e um deles já foram liberados por licença extrajudicial e um por já ter cumprido a condenação.

A libertação de Sigler e a relocalização dos presos políticos, levados para penitenciárias mais próximas de onde moram as famílias, dá continuidade a um processo que começou no dia 1 de junho passado.

O presidente da Comissão Cubana de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional (CCDHRN), Elizardo Sánchez, declarou-se "insatisfeito" com o anúncio, por considerar que Sigler "deve ser libertado de forma incondicional", não através de "licença".

Sigler dirigia o Movimiento Independente Opção Alternativa (MIOA) na província de Matanzas (ocidente), considerado ilegal pelo governo; usa cadeira de rodas desde setembro de 2008 e foi internado em 14 de agosto de 2009 no hospital por uma série de enfermidades crônicas como polineuropatia e problemas digestivos e renais.

O último preso político cubano liberado havia sido Nelson Aguiar, de 64 anos, por estar enfermo, depois de uma gestão da Espanha em outubro de 2009.

A suavização da política voltada para os presos ocorre num momento em que Cuba enfrenta críticas dos Estados Unidos e da União Europeia sobre direitos humanos, depois da morte do opositor detido Orlando Zapata, no dia 23 de fevereiro, após greve de fome de 85 dias.

A tensão aumentou com o jejum declarado um dia depois dessa morte pelo psicólogo opositor Guillermo Fariñas, para exigir a libertação de 26 dissidentes enfermos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,56
    3,261
    Outras moedas
  • Bovespa

    18h21

    1,28
    73.437,28
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host