UOL Notícias Notícias
 
13/06/2010 - 08h31 / Atualizada 13/06/2010 - 08h31

Iveta Radicova pode se tornar a primeira mulher a chefiar governo da Eslováquia

BRATISLAVA, 13 Jun 2010 (AFP) -A liberal Iveta Radicova, uma socióloga diplomada em Oxford, decidida a encarnar a mudança na Eslováquia, caminhava, neste domingo, a converter-se na primeira mulher a chefiar um governo neste país da Europa Central.

Aos 53 anos, de cabelos louros e sorriso amplo, ela soube, na madrugada deste domingo, que seu partido, a União Democrática e Cristã Eslovaca (SDKU-DS), e seus três associados de direita e centro dispunham de maioria de 79 das 150 cadeiras, em disputa nas legislativas de sábado.

A vantagem sobre o partido do atual primeiro-ministro Robert Fico (Smer-SD, esquerda), na cabeça nas urnas, mas sem maioria, deverá permitir a essa professora formar o gabinete, com a pretensão de devolver o melhor ao cenário político eslovaco, dominada pelos homens desde a queda do comunismo em 1990 e a separação da República Tcheca três anos depois.

"A habilidade de ouvir é a mais preciosa das qualidades", diz Radicova, que ganhou algumas críticas da Igreja por sua recusa a condenar o aborto num país muito conservador e fortemente influenciado pela Igreja Católica.

Nascida em 7 de dezembro de 1956, em Bratislava, foi ministra do Trabalho e Assuntos Sociais em 2005-2006, tendo sido eleita deputada cristã-democrata em 2006.

Em abril de 2009 se apresentou à presidência da Eslováquia, mas perdeu para Ivan Gasparovic.

Tem um filha do casamento com um ator cômico que faleceu em 2005.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host