UOL Notícias Notícias
 
14/06/2010 - 13h51 / Atualizada 14/06/2010 - 15h12

Blair anuncia que Israel aceitará suavizar o bloqueio a Gaza

Em Luxemburgo

Israel se dispõe a permitir maior entrada de mercadorias na faixa de Gaza, como exige a comunidade internacional, depois do ataque a flotilha de ajuda humanitária destinada a seu habitantes, anunciou nesta segunda-feira (14) o enviado especial do Quarteto, Tony Blair. 

Fronteiras em Gaza

"Falei com o primeiro-ministro israelense (Benjamin Netanyahu) e chegamos a um acordo de princípio" para permitir maior entrada de bens a faixa de Gaza, submetida ao bloqueio israelense desde meados de 2007, informou Blair aos chanceleres da União Europeia reunidos em Luxemburgo.

"O Estado hebreu manterá o bloqueio a armamentos e demais materiais de combate, mas está preparado para permitir a entrada de bens necessários à vida diária das pessoas" acrescentou o enviado especial do Quarteto (Estados Unidos, UE, Rússia e ONU) no Oriente Médio.

Israel havia sido alvo de fortes pressões internacionais para que levantasse o bloqueio, depois do ataque militar, do dia 31 de maio, em águas internacionais contra a flotilha humanitária que se dirigia a Gaza, matando nove ativistas.

Fontes diplomáticas europeias destacaram, ainda nesta segunda-feira, que o Estado hebreu está preparado para ir além e facilitar a entrada de novos produtos na Faixa de Gaza através do estabelecimento de dois postos de controle terrestres na fronteira com o território palestino.

"As indicações procedentes de Israel mostram que as autoridades têm vontade" de rever a lista de produtos que podem ou não entrar, segundo as fontes.

Os postos de fronteira por onde entrariam essas novas mercadorias seriam instalados em Karni (norte) e Kerem Shalom (sul), com as Nações Unidas se encarregando de fazer as "verificações", enquanto que a União Europeia daria "apoio financeiro".

Segundo um informe publicado recentemente por uma organização não governamental israelense, as autoridades de Israel só permitem a entrada de 97 produtos no enclave - antes do bloqueio, eram mais de 4 mil produtos.

A situação na Faixa de Gaza é "insustentável", lamentaram nesta segunda-feira em uma declaração os chanceleres da UE.

O bloco voltou a exigir a abertura "imediata" e "incondicional" dos pontos de acesso para possibilitar o trânsito de "ajuda humanitária, bens comerciais e pessoas que pretendem sair e entrar na Faixa", ao mesmo tempo em que defendeu uma solução que permita "atender as preocupações legítimas de segurança" de Israel.

 

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host