UOL Notícias Notícias
 
14/06/2010 - 18h56 / Atualizada 14/06/2010 - 19h31

Colômbia: resgate de reféns das Farc fortalece candidato da situação

BOGOTÁ, 14 Jun 2010 (AFP) -O resgate de quatro policiais e militares que, por quase 12 anos, foram reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), uma semana antes das eleições presidenciais na Colômbia, fortalece o candidato da situação, Juan Manuel Santos, que como ministro da Degesa, em 2008, foi o responsável pelos mais duros golpes à guerrilha marxista.

Santos promete continuar as políticas do presidente em fim de mandato Alvaro Uribe e tem dado ênfase, ao longo de sua campanha, à necessidade de manter a "segurança democrática" de combate frontal às guerrilhas, mostrando-se como o "homem firme" capaz de levá-la adiante.

Nesta linha, Santos, do Partido Social da Unidade Nacional ('La U', direita), anunciou que, se vencer as eleições presidenciais, manterá a política de resgate de sequestrados e rejeitou qualquer possibilidade de troca de reféns por guerrilheiros presos, como propõem as Farc.

"Os eleitores se definiram no primeiro turno (em 30 de maio) e apostaram novamente na agenda da segurança democrática do presidente Uribe. Obviamente, este resgate fortalece esta candidatura", avaliou León Valencia, da organização Novo Arco-Íris, que estuda o conflito armado.

"Em um momento da campanha eleitoral se pensou que a agenda ia mudar um pouco rumo a temas de corrupção. Mas foi uma ilusão, as pessoas pensaram que a segurança é o principal", acrescentou Valencia.

Para Alejo Vargas, cientista político da Universidade Nacional, este resgate "fortalecerá ainda mais a candidatura de Santos", sobre quem as pesquisas previam que, no segundo turno, poderia duplicar a votação de seu rival, o independente Antanas Mockus (Partido Verde), "mas que agora terá uma diferença ainda maior".

Santos foi ministro da Defesa de Uribe entre 2006 e 2009, quando renunciou ao cargo para disputar as eleições deste ano.

Em 2008, ele chefiou a "Operação Xeque-Mate", na qual foram resgatados a ex-candidata à Presidência Ingrid Betancourt, três cidadãos americanos e onze policiais e militares colombianos.

No mesmo ano, as forças de segurança bombardearam um acampamento de guerrilheiros das Farc no Equador, em uma operação na qual morreram 25 pessoas, entre elas o número dois da guerrilha, Raúl Reyes.

Também em 2008, Santos anunciou, em primeira mão, a morte, por causas naturais de Manuel Marulanda (aliás "Tiro Certo"), lendário fundador das Farc, demonstrando com isso a penetração dos serviços de inteligência na guerrilha, que dias depois confirmou a notícia.

Nesse contexto, o resgate dos quatro militares que estavam há mais tempo em cativeiro parece muito oportuno frente ao segundo turno presidencial, que confrontará no domingo Santos e Mockus.

"Trata-se de uma operação que tinha sido preparada há tempos e que estava reservada para estes dias. Pode diminuir a abstenção, despertando o entusiasmo dos leitores e se refletirá na votação para Santos", previu o analista Rubén Sánchez, da Universidade do Rosário.

Valencia, no entanto, disse que operações como a "Operação Camaleão", como se chamou o resgate dos quatro militares, "são preparadas com muita antecipação e não se pode descartar que tenha sido pensada para coincidir com o evento eleitoral".

"Uribe e sua coalizão de governo foram muito hábeis dar golpes à guerrilha e usar estes golpes politicamente", disse.

No entanto, Sánchez descartou que a operação incida numa diminuição da votação para Mockus, que no primeiro turno conseguiu 21,5% (3,1 milhões) de votos, contra 46,6% (6,7 milhões) de Santos.

"Os votos de Mockus já são dele e se trata de um protesto muito aberto e consciente à candidatura de Santos. Não deverão baixar", estimou.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host