UOL Notícias Notícias
 
15/06/2010 - 19h58 / Atualizada 15/06/2010 - 20h19

Americano que tentou matar Bin Laden 'não está louco', diz irmão

  • Gary Brooks Faulkner, 50, em fotos de 1997 (à esq.) e de 2006

    Gary Brooks Faulkner, 50, em fotos de 1997 (à esq.) e de 2006

LOS ANGELES, 15 Jun 2010 (AFP) -O operário americano preso no Paquistão sob a suspeita de ter viajado para tentar capturar e matar o chefe da rede extremista Al-Qaeda, Osama bin Laden, "não está louco", disse nesta terça-feira o irmão dele à emissora CNN.

Gary Brooks Faulkner, 50 anos, foi preso na segunda-feira em uma região remota e montanhosa do Paquistão, onde os americanos acreditam que Bin Laden esteja escondido, perto da fronteira afegã.

"Meu irmão não está louco", disse Scott Faulkner à emissora CNN. "Ele é muito inteligente e adora seu país e não esqueceu o que Osama fez".

Scott Faulkner afirmou que seu irmão, um contratista que vive no Colorado desde 1968, estava furioso com os ataques de 11 de setembro de 2001 em Washington e Nova York e pelos "insultos" de Osama bin Laden contra o cristianismo.

O homem levava consigo uma pistola, um punhal, uma espada e equipamentos de iluminação noturna.

Magro, alto, de cabelo comprido e barba, Gary Brooks Faulkner foi rapidamente apelidado de "ninja americano" pela imprensa americana, segundo a qual se acredita que ele pretendia capturar por sua conta o líder da Al-Qaeda para obter os 25 milhões de dólares oferecidos pelo governo dos Estados Unidos a quem oferecer informação sobre seu paradeiro.

No entanto, Scott Faulkner disse nesta terça-feira que seu irmão fez a viagem motivado por seu patriotismo, mais do que pela recompensa milionária. Também afirmou que ele sofre de problemas nos rins e de alta pressão arterial.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host