UOL Notícias Notícias
 
15/06/2010 - 13h14 / Atualizada 15/06/2010 - 13h57

Brasil será maior produtor agrícola da próxima década, segundo a FAO e a OCDE

ROMA, 15 Jun 2010 (AFP) -O Brasil figura junto com China, Rússia, Índia e Ucrânia entre os maiores produtores agrícolas da próxima década, segundo um informe conjunto da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) e da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos (OCDE) apresentado nesta terça-feira em Roma.

"O Brasil é o produtor agrícola com um crescimento mais rápido, e um aumento previsto de 40% até 2019", sustenta o informe ilustrado à imprensa por Jacques Diouf, diretor-geral da FAO, e pelo mexicano Angel Gurría, secretário-geral da OCDE.

O documento aponta para um crescimento da produção agrícola mundial mais lento durante a próxima em comparação com os últimos dez anos e calcula que os preços médios dos alimentos subirão entre 2010 e 2019, pelo que "persiste a preocupação" com o aumento do número de pessoas com fome no mundo.

O aumento da produção agrícola será superior a 20% na Rússia, Ucrânia, China e Índia, estima o documento "Perspectivas Agrícolas".

Para o secretário-geral da OCDE, o mexicano Angel Gurría, "o setor agrícola mostrou sua capacidade de resistência às recentes instabilidades de preço e à crise econômica".

O especialista latino-americano convidou os governos a colocarem em marcha "medidas para garantir que futuros agricultores contem com as ferramentas para enfrentar riscos futuros, como contratos de produção, sistema de seguros e mercados de futuros", disse.

Por sua vez, o diretor-geral da FAO, Jacques Diouf, advertiu que "o papel dos países em desenvolvimento nos mercados internacionais cresce de forma rápida e condiciona cada vez mais o mercado mundial".

"Seu papel e contribuição às questões políticas globais é de grande importância", explicou.

Diouf lembrou que apenas 2% da população dos países desenvolvidos produz a quantidade de alimentos requerida em seus países, enquanto nos países em desenvolvimento essa porcentagem é de 60 a 80%.

O diretor-geral da FAO instou a comunidade internacional a estabelecer um código de conduta que regulamente o setor e coordene conhecimentos e atividades na luta contra a fome e a desnutrição no mundo.

A OCDE espera que o código de conduta, cujas negociações são realizadas na sede central da FAO em Roma, regulamente os investimentos, assim como o monopólio de terras e chegue a eliminar os subsídios, que alteram o mercado.

O informe reconhece que ainda "que o mundo produza o suficiente para alimentar sua população, os recentes aumentos de preços e a crise econômica contribuíram para o crescimento da fome e para a insegurança alimentar".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,02
    3,136
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,02
    75.974,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host