UOL Notícias Notícias
 
27/06/2010 - 16h31 / Atualizada 27/06/2010 - 16h34

Seções eleitorais fecham na Guiné após histórica eleição presidencial

CONAKRY, 27 Jun 2010 (AFP) -As seções eleitorais começaram a fechar, às 18h00 locais (15h00 de Brasília) deste domingo, na Guiné, após as primeiras eleições presidenciais organizadas desde a independência, em 1958, uma eleição que transcorreu aparentemente sem incidentes.

A participação foi maciça e a AFP não teve conhecimento nem de distúrbios, nem de atos de violência.

"Fechamos. A contagem de votos começará logo", disse Abdulay Sylla, presidente de uma seção eleitoral situada em um bairro de Conacri.

"Verdadeiramente, os eleitores foram muitos", destacou.

No total, 4,2 milhões de guineanos foram convocados a votar para eleger seu presidente entre 24 candidatos - 23 homens e uma mulher, todos civis -, após meio século de ditaduras.

Por volta do meio-dia, o presidente da Comissão Eleitoral Nacional Independente (CENI), Ben Seku Sylla, assegurou que a eleição "transcorre bem", apesar da "falta de material".

"A afluência nos obrigou a multiplicar por dois a quantidade de cabines e de urnas em algumas seções", assegurou.

O ex-general golpista, Sekuba Konate, que preside a Guiné desde a transição iniciada em dezembro, se declarou "orgulhoso" por ter cumprido sua "palavra" ao organizar a eleição presidencial e pediu "unidade e solidariedade".

"Em 50 anos é a primeira vez que a Guiné tem eleições livres e transparentes", disse o general, depois de votar.

No exterior, mais de 122 mil guineanos deveriam votar em 17 países.

Esta eleição crucial foi celebrada nove meses depois do massacre de pelo menos 156 opositores pelas forças da Defesa e da Segurança em um estádio de Conacri.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,95
    3,157
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h28

    -1,26
    74.443,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host