UOL Notícias Notícias
 
29/06/2010 - 18h59 / Atualizada 29/06/2010 - 19h03

Maré negra: tempestade Alex ameaça virar furacão, enquanto Biden visita Golfo

NOVA ORLEANS, EUA, 29 Jun 2010 (AFP) -A tempestade tropical Alex que, se ganhar força, vai virar furacão nesta terça-feira, obriga a BP a reduzir suas operações de limpeza e recuperação do petróleo no Golfo do México, enquanto o vice-presidente americano, Joe Biden, visita a região.

Dez semanas depois da explosão da plataforma petroleira Deepwater Horizon da BP, origem da pior catástrofe ambiental da história dos Estados Unidos, o governador da Luisiana, Bobby Jindal, reprovou duramente Biden, que acabava de chegar à costa do Golfo, pela lentidão da resposta federal ao desastre.

"Não vimos aqui um único barco tentando recuperar este petróleo. Precisamos ter um senso maior de urgência", queixou-se Jindal. "É preciso tratar isto como uma guerra, pois é o que é", acrescentou.

Incontáveis aves e a costa, antes famosa pelas areias brancas, foram contaminadas com petróleo, depois do afundamento da plataforma em 22 de abril e do consequente vazamento de gigantescas proporções, que afeta duramente as atividades pesqueiras e turísticas, vitais para a região.

Embora não esteja previsto que vá afetar diretamente o local onde ocorreu a maré negra, a tempestade Alex se faz sentir. Depois de deixar pelo menos 10 mortos na América Central, avança com ventos de 110 km/h, informou o Centro Nacional de Furacões (NHC).

Na região da catástrofe, a guarda costeira informou que ondas de dois metros e ventos de 40km/h perturbaram a recuperação e a queima do petróleo que flutua na superfície.

"Os voos para espalhar dispersantes continuam, mas o petróleo não é queimado, nem recuperado na superfície", disse uma porta-voz à AFP.

Até a quarta-feira, espera-se a formação de ondas de 3,5 metros de altura na região.

A situação climática também forçou o adiamento da ativação de 'Helix Producer', um terceiro navio para coleta do óleo derramado.

Atualmente, são recuperados 25 mil barris de petróleo por dia, contra uma estimativa de 30.000 e 60.000 barris/dia que são lançados no mar.

O 'Helix Producer' deve permitir recuperar um total de 40.000 a 50.000 barris por dia de petróleo até o início de julho.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,40
    3,181
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    2,01
    70.011,25
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host