UOL Notícias Notícias
 
30/06/2010 - 15h01 / Atualizada 30/06/2010 - 15h06

Israel, rei dos aviões não tripulados

Base aérea de Palmahim, Israel, 30 Jun 2010 (AFP) -Verdadeiros "olhos" da guerra moderna e onipresentes nos céus de Paquistão, Iraque ou Gaza, os veículos aéreos não tripulados, conhecidos por "drones", são uma especialidade e uma prioridade de Israel, maior exportador mundial.

A indústria é tão florescente que, segundo a imprensa local, inclusive em plena crise com a Turquia uma delegação militar turca foi secretamente a Israel há alguns dias para treinamento em pilotagem do Heron, um modelo desse tipo de avião israelense.

Esta aeronave sem piloto, de 11 metros de comprimento, é propulsada por um motor de 1.200 cv. Pode voar até 52 horas seguidas a 10 km de altitude, transportando uma carga útil de 300 kg. A beira de suas asas, revestida por uma placa de titânio, é dotada de um sistema que a protege de congelamento.

"Acumulou dezenas de milhares de horas de voo. Sua vocação é: inteligência, vigilância e reconhecimento", ou seja, recolher dados, vigiar o local em tempo real e apoiar as tropas terrestres, explica o capitão "Gil", de 30 anos, comandante de uma esquadrilha "que opera todos os dias, 24 horas", na base aérea de Palmahim, ao sul de Tel Aviv.

Totalmente autônomo da decolagem à aterrissagem, o Heron mantém contato com um quartel general móvel graças a frequências de rádio. Sua câmera de alta resolução permite distinguir um suspeito em terra.

Esses aviões também estão equipados com mísseis e podem disparar sem ser vistos. Seu som tornou-se comum na Faixa de Gaza.

"Uma centena de aparelhos Heron já foi vendida em todo o mundo, a países como França, Alemanha, Austrália, Canadá, Espanha ou Turquia, e são encontrados no Afeganistão e Iraque", explica Jacques Chemla, engenheiro chefe e "cérebro" do MALAT, o departamento de aviões não tripulados das Indústrias Aeronáuticas de Israel (IAI, em inglês).

Para conhecer esse lugar da segurança israelense, próximo a Tel Aviv, todas as precauções são poucas. Câmeras, telefones celulares ou gravadores são proibidos, e um funcionário vigia o que é dito.

"Israel é o maior exportador mundial de 'drones', com mais de mil aparelhos vendidos em 42 países, o que representa um volume de negócios anual de cerca de 350 milhões de dólares", segundo Chemla.

O MALAT facilita tudo para seus clientes, oferecendo a eles formação e apoio técnico. Mais de mil funcionários trabalham para obter encomendas, mas a seleção é dura: de 80 projetos examinados, apenas 15 são escolhidos.

O avião não tripulado mais imponente, o Heron TP, chamado de Eytan ("Forte", em hebraico), do tamanho de um Boeing 737, pesa 4,5 toneladas. Adotado recentemente pela aviação israelense, tem uma autonomia de voo de 36 horas e transporta a 13 mil metros de altitude uma carga útil de uma tonelada. Comunica-se via satélite, e seu raio de ação alcança o Irã.

Pelo contrário, o Parpar ("mariposa") pesa apenas 35 gramas. Com esse "olho voador", as forças russas teriam tido mais chances de evitar o massacre de Beslan em 2004, localizando os terroristas chechenos que tomaram reféns em uma escola, segundo os especialistas israelenses.

Os "mini-drones" podem voar facilmente, para depois serem recuperados com ajuda de redes, paraquedas - freio ou girando em seu eixo ao aterrissar.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    14h20

    -0,07
    3,274
    Outras moedas
  • Bovespa

    14h20

    1,55
    62.626,39
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host