UOL Notícias Notícias
 
04/07/2010 - 12h10 / Atualizada 04/07/2010 - 12h35

Guantánamo: justiça dos EUA exige do governo provas sobre preso argelino

WASHINGTON, 4 Jul 2010 (AFP) -O governo americano tem de apresentar provas da adesão à Al-Qaeda de um argelino perso em Guantánamo há oito anos, sob pena de ter de colocá-lo em liberdade, decidiu uma corte de apelação federal.

Esta decisão do tribunal de apelação de Washington contradiz uma decisão anterior que autorizava a manutenção em prisão sem julgamento de Belkacem Bensayah, capturado em 2001 junto com outros cinco argelinos que viviam na Bósnia.

Os homens, acusados de ter vínculos com a rede Al-Qaeda e de ter elaborado atentados contra os interesses americanos na Bósnia, haviam sido extraditados em janeiro de 2002 para a prisão da base naval americana de Guantánamo, em Cuba.

Na nova decisão, com data de quinta-feira, o juiz federal Douglas Ginsburg estima que "as provas nas quais se baseia a decisão para concluir que Bensayah 'apoiava' a Al-Qaeda são insuficientes para demonstrar que pertencia a esta organização".

"O governo não apresentou nenhuma prova de comunicação direta entre Bensayah e membros da Al-Qaeda", destaca.

Durante o governo de George W. Bush, os Estados Unidos recluíram durante anos em Guantánamo centenas de prisioneiros de sua chamada "guerra ao terror", sem julgamento, acusação nem acesso a advogados, em condições denunciadas por organismos de defesa dos direitos humanos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    13h28

    0,24
    3,137
    Outras moedas
  • Bovespa

    13h34

    -0,52
    75.609,39
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host