UOL Notícias Notícias
 
08/07/2010 - 17h16 / Atualizada 08/07/2010 - 17h19

Iveta Radicova torna-se a primeira mulher a chefiar um governo da Eslováquia

BRATISLAVA, 8 Jul 2010 (AFP) -A liberal Iveta Radicova, de 53 anos, uma socióloga diplomada em Oxford, decidida a encarnar a mudança na Eslováquia, tornou-se a primeira mulher a chefiar um governo neste país da Europa Central, independente desde a divisão da Tchecoslováquia, em 1993.

Iveta Radicova foi nomeada para o cargo de primeiro-ministro pelo presidente eslovaco, Ivan Gasparovic, após as eleições legislativas de 12 de junho.

Líder da União Democrática e Cristã eslovaca (SDKU) conta, junto com seus aliados liberais (SaS), cristãos-democratas (KDH) e do partido da minoria húngara Most-Hid, com maioria de 79 cadeiras, num total de 150.

O partido de esquerda Smer-SD, do até então premiê, Robert Fico, e seus aliados nacionalistas do SNS do líder xenófobo Jan Slota, possuem 71 cadeiras.

"Seremos um governo em prol dos cidadãos, um governo de responsabilidade cívica e cooperação", declarou ela.

"A habilidade de ouvir é a mais preciosa das qualidades", diz Radicova, que ganhou algumas críticas da Igreja por sua recusa a condenar o aborto num país muito conservador e fortemente influenciado pela Igreja Católica.

No final de 2009, renunciou a sua vaga no parlamento, depois de criticada por ter votado no lugar de uma companheira ausente. "Cometi um erro e a única forma de me redimir era renunciar", declarou na época.

Nascida em 7 de dezembro de 1956, em Bratislava, foi ministra do Trabalho e Assuntos Sociais em 2005-2006, tendo sido eleita deputada cristã-democrata em 2006.

Em abril de 2009 se apresentou à presidência da Eslováquia, mas perdeu para Ivan Gasparovic.

Tem um filha do casamento com um ator cômico que faleceu em 2005.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    15h39

    -0,01
    3,135
    Outras moedas
  • Bovespa

    15h48

    -0,11
    75.909,98
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host