UOL Notícias Notícias
 
12/07/2010 - 18h03 / Atualizada 12/07/2010 - 18h03

Sérvios da Bósnia lembram suas vítimas da guerra e negam Srebrenica

BANJA LUKA, Bósnia-Herzegovina, 12 Jul 2010 (AFP) -Os sérvios da Bósnia fizeram uma homenagem nesta segunda-feira às vítimas da guerra de 1992-1995, negando que o massacre de milhares de muçulmanos em Srebrenica, em julho de 1995, tenha sido um genocídio, como definiu a justiça internacional.

A Republika Srpska (RS), a entidade sérvia da Bósnia, "não nega o crime em grande escala em Srebrenica, mas não foi, por definição, um genocídio, como descreve a Corte Internacional (de Justiça) de Haia", declarou o primeiro-ministro da RS, Milorad Dodik, citado pela agência SRNA.

Dodik falou sobre o assunto após cerimônia religiosa no cemitério militar de Bratunac, perto de Srebrenica, para homenagear mais de 3.260 soldados e civis sérvios da região que morreram durante a guerra na Bósnia, segundo cifras sérvias.

Depois de tomar no dia 11 de julho de 1995 o enclave de Srebrenica, que estava protegido pela ONU, as forças sérvias da Bósnia mataram 8.000 muçulmanos e atiraram seus corpos em fossas comuns.

O drama de Srebrenica, considerado o maior massacre na Europa desde a Segunda Guerra Mundial, foi qualificado de genocídio pela Corte Internacional de Justiça (CIJ) e o Tribunal Penal Internacional (TPI) para a extinta Iugoslávia.

Unas 50.000 pessoas, entre elas dirigentes europeus e presidentes de todas as ex-repúblicas iugoslavas, foram à cidade bósnia de Srebrenica, no domingo, para lembrar o 15º aniversário da matança de 8 mil muçulmanos bósnios pelas forças sérvias da Bósnia, e para sepultar cerca de 800 vítimas identificadas recentemente.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host