UOL Notícias Notícias
 
13/07/2010 - 14h44

Chegam à Espanha os primeiros sete dissidentes cubanos libertados

MADRI, 13 Jul 2010 (AFP) -Os sete primeiros opositores cubanos libertados em Havana chegaram nesta terça-feira à Espanha, onde eles, fazendo o V de vitória, comemoram o fim da detenção como "o início de uma nova etapa para o futuro" da ilha comunista.

Tratam-se dos primeiros de um acordo que prevê a liberação gradual de 52 presos políticos condenados em 2003 a longas penas de prisão, o evento mais importante no país desde que Raúl Castro assumiu o poder depois de seu irmão Fidel, há quatro anos.

Os Estados Unidos elogiaram a Espanha e a Igreja Católica cubana pelo "acontecimento positivo". O Departamento de Estado pediu a "libertação imediata e incondicional de todos os prisioneiros políticos".

Essas libertações significam "o início de uma nova etapa para o futuro de Cuba e de todos os cubanos", estimaram os opositores em Madri, em um comunicado lido pelo jornalista Julio Cesar Galvez.

"Esperamos que aqueles que ainda estão em Cuba possam ter a oportunidade de desfrutar dessa mesma liberdade", continuou.

"Não nos consideramos manipulados", declarou Ricardo Gonzalez, de 60 anos, o mais conhecido dos setes por ter sido o correspondente clandestino da ONG francesa Repórteres sem Fronteira.

"A palavra mudança começa com a liberdade, não somente a libertação dos nossos companheiros, mas também aquela de todos os cidadãos cubanos (...). Para nós, o exílio é a prolongação de nossa luta. Somos o caminho que pode conduzir à mudança" em Cuba, acrescentou.

Cansados, mas sorridentes, os sete dissidentes fizeram o "V" de vitória, com os braços levantados, no final da breve coletiva de imprensa.

Eles, em seguida, foram levados pelas autoridades espanholas, junto dos 33 membros de suas famílias que viajaram para reencontrá-los na noite de segunda-feira em Havana depois de sete anos de separação.

A Espanha deve oferecer a eles "um primeiro apoio logístico" através da Comissão Espanhola de Ajuda aos Refugiados (CEAR) e a Cruz Vermelha, segundo o chefe da diplomacia espanhola, Miguel Angel Moratinos, que defende incansavelmente uma aproximação entre a União Europeia e Cuba.

Após uma reunião realizada quarta-feira passada entre o presidente Raúl Castro, o cardeal Jaime Ortega e Moratinos, a Igreja anunciou a liberação, em no máximo quatro meses, dos 52 dissidentes que estão atrás das grades desde a onda de repressão de março de 2003.

O opositor Guillermo Fariñas colocou um fim a sua greve de fome pela libertação de 26 presos doentes, que começou após a polêmica morte de um prisioneiro e durou 135 dias.

Treze outros prisioneiros políticos estão à espera da próxima partida à Espanha, segundo a Igreja cubana.

O processo de libertação de presos políticos é o maior desde que Raúl Castro assumiu o cargo de seu irmão Fidel, em agosto de 2006.

Fidel Castro havia libertado uma centena logo após a histórica visita do Papa João Paulo II a Cuba, em 1998. Mas, em março de 2003, ele ordenou a detenção de, ao todo, 75 opositores acusados de "colaborar" com o inimigo americano, o que causou o congelamento da cooperação com a União Européia por cinco anos.

A partida dos primeiros dissidentes de Havana coincidiu com uma rara aparição televisiva de Fidel Castro, hoje com 83 anos, dedicada exclusivamente à situação do Oriente Médio e do Irã.

Segundo dados da oposição cubana, ainda vão restar 115 presos políticos em Cuba, após a libertação dos 52 anunciada.

A oposição cubana lamentou o exílio desses dissidentes, dizendo que eles poderiam ter sido mais úteis para Cuba na luta pelos direitos e pela liberdade.

Cuba está sob embargo americano desde 1962 e considera os dissidentes mercenários a serviço dos Estados Unidos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    10h09

    0,02
    3,158
    Outras moedas
  • Bovespa

    10h14

    0,36
    74.714,16
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host