UOL Notícias Notícias
 
16/07/2010 - 11h03

Venezuela nega as acusações do governo Uribe e ameaça com medidas firmes

CARACAS, 16 Jul 2010 (AFP) -O governo venezuelano negou nesta sexta-feira a atitude do presidente colombiano Álvaro Uribe para "tentar destruir" as relações bilaterais ao afirmar que existem guerrilheiros colombianos na Venezuela.

A chancelaria venezuelana rejeitou em um comunicado a "nova arremetida do atual presidente da Colômbia, Álvaro Uribe Vélez, em seu afã por levar a termo o trabalho de destruição das relações colombianas-venezuelanas que empreendeu com doentia obsessão nos últimos anos".

"O caminho da mentira, da agressão, da falta de respeito contra a Venezuela, sempre impedirá a regularização das relações entre os governos de nossos países. Se esta situação continuar, o governo da Venezuela avalariará tomar medidas políticas e diplomáticas muito firmes e contundentes", afirma o texto.

A Colômbia informou na quinta-feira ter evidências da presença de cinco líderes de guerrilhas de esquerda na Venezuela, em uma última indicação de tensão entre os dois vizinhos sul-americanos.

Um comunicado emitido pelo gabinete do presidente colombiano, Álvaro Uribe, afirma que o governo tem "evidências da presença" na Venezuela de quatro líderes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e um do Exército de Libertação Nacional (ELN).

Ambos os grupos têm promovido uma campanha armada contra o governo colombiano desde os anos 1960.

De acordo com o comunicado, os líderes seriam Ivan Marquez; Rodrigo Granda, conhecido como Ricardo; Timoleón Jiménez, conhecido como Timochenko; e Germán Briceño, conhecido como Grannobles (das Farc); assim como Carlos Marín Guarín, conhecido como Pablito (do ELN)", afirmou o texto.

Segundo a presidência colombiana, também estão na Venezuela "outros integrantes do grupo terrorista ELN".

Iván Márquez é membro do secretariado (comando central) das Farc, e em 2007 foi recebido em Caracas pelo presidente venezuelano Hugo Chávez, quando este, a pedido de seu homólogo colombiano Alvaro Uribe, mediava uma troca de reféns da guerrilha por rebeldes presos.

Rodrigo Granda, considerado o "chanceler" das Farc, foi libertado por Uribe em 2007 para facilitar essa tentativa de troca. Timoleón Jiménez também faz parte do secretariado das Farc e foi o encarregado de anunciar, em 2008, a morte por causas naturais de seu fundador, Manuel Marulanda "Tirofijo". Germán Briceño é o irmão do chefe militar das Farc, "Mono Jojoy".

A Colômbia afirmou anteriormente que países da região servem de abrigo para chefes esquerdistas das Farc, apesar de no comunicado a presidência colombiana não responsabilizar diretamente o governo de Chávez por essa situação.

Uribe advertiu Iván Márquez, indicando saber o lugar onde ele está. "Sabemos onde está Iván Márquez, que ele saiba que não somos tão ingênuos", afirmou o presidente colombiano há uma semana.

O comunicado da presidência foi divulgado a poucos dias da saída do poder de Uribe, no próximo dia 7 de agosto, e em um momento em que seu sucessor, o ex-ministro da Defesa Juan Manuel Santos, optou por um discurso de aproximação com o governo de Chávez, que foi convidado para sua posse, segundo sua chanceler designada, Maria Angela Holguín.

Sobre esse convite, Uribe declarou-se preocupado.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host