UOL Notícias Notícias
 
19/07/2010 - 15h43

Aids: Gates e Clinton defendem uso mais eficaz dos recursos

VIENA, 19 Jul 2010 (AFP) -O ex-presidente americano Bill Clinton e o bilionário Bill Gates discursaram nesta segunda-feira no debate sobre o dinheiro destinado ao combate à Aids, defendendo um uso mais eficaz dos fundos mobilizados em tempos de crise econômica.

"Devemos diminuir o custo da ajuda", disse Clinton em um discurso feito na 18ª Conferência Internacional sobre a Aids, que ocorre em Viena até a sexta-feira, com mais de 20.000 participantes de 185 países.

Clinton, cuja fundação participa da luta contra a Aids, participou desde 2002 de todas as conferências sobre o tema.

"Em muitos países, muito dinheiro vai a muita gente que participa de muitas reuniões, toma muitos aviões para fazer muita assistência técnica", disse o ex-presidente, assegurando que está colocando em ordem os programas de sua própria fundação.

"Cada dólar que desperdiçamos coloca vidas em perigo", completou.

Clinton insistiu na necessidade de uma mudança de estratégia no financiamento da luta contra a Aids.

Em vez de financiar instituições internacionais, aconselhou apoiar "diretamente" os planos nacionais de saúde, cooperando com as "coletividades e organizações locais".

"Também devemos convencer os governos da África e de outras partes do mundo a investir em seu próprio sistema de saúde quando obtiverem novos recursos", completou Clinton.

Apesar de defender planos de rigor, o ex-presidente dos Estados Unidos (1993-2000) pediu aos países ricos que reconstituam o Fundo Mundial contra a Aids, a Tuberculose e a Malária. Seu diretor, Michel Kazatchkine, disse no domingo que está "muito preocupado" com o nível de mobilização financeira internacional.

À tarde, o bilionário Bill Gates, co-presidente com sua mulher da fundação Bill e Melinda Gates, insistiu também na necessidade de "otimizar" os fundos existentes.

"Se continuramos gastando nossos recursos exatamente como fazemos hoje, nossa capacidade para tratar todos os doentes vai diminuir", advertiu.

Se os custos caírem a 300 dólares anuais por paciente "poderemos tratar o dobro de pessoas" com o orçamento atual, lembrou Gates, cuja fundação aplicou em 11 anos 2,2 bilhões de dólares na prevenção e pesquisa sobre a Aids.

Assim como Clinton, Gates insistiu no fortalecimento de métodos como a circuncisão masculina, que reduz entre 50% e 60% o risco de infecção entre os homens, ou a prevenção da transmissão entre mãe e filho.

Gates lançou também um chamado para investir em pesquisa, sobretudo na elaboração de uma vacina eficaz, de uma pílula preventiva e do gel germicida.

Antes de seu discurso, alguns ativistas exigiram a criação de uma taxa sobre as transações interbancárias de câmbio - chamada taxa Robin, de Robin Hood - com o objetivo de financiar a luta contra a Aids. Gates não se mostrou muito favorável a isso.

O Fundo Mundial, uma associação público-privada com sede em Genebra, deseja arrecadar entre 13 bilhões e 20 bilhões de dólares este ano para o período 2011-2013 entre os doadores públicos e privados.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    15h40

    -0,07
    3,134
    Outras moedas
  • Bovespa

    15h49

    -0,49
    75.603,39
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host