UOL Notícias Notícias
 
19/07/2010 - 14h25

Conferência de doadores em Cabul deve dar novo rumo ao Afeganistão

CABUL, 19 Jul 2010 (AFP) -O Afeganistão acolhe nesta terça-feira, em Cabul, uma conferência internacional onde o governo afegão e representantes de mais de 60 países doadores vão tentar chegar a um acordo sobre as prioridades do desenvolvimento e do futuro deste país devastado pela guerra.

A conferência deve marcar uma nova etapa no lento processo de emancipação do governo afegão, que se prepara para liderar o país no futuro e, especialmente, para defender-se depois que as tropas da Otan e dos Estados Unidos, posicionadas ali desde o final de 2001, forem embora.

Segundo diplomatas ocidentais, o presidente Hamid Karzai deve apresentar um calendário para a tomada de controle por parte da polícia e do exército afegão para permitir a retirada das tropas estrangeiras até o final de 2014, em um momento em que tal intervenção é cada vez mais impopular no Ocidente.

A conferência, descrita como o mais importante encontro internacional organizado na história da capital afegã, acontecerá sob forte esquema de segurança.

Milhares de soldados afegãos e da Otan foram mobilizados para impedir qualquer ataque talibã, uma rebelião que não para de fortalecer nos últimos quatro anos.

"A conferência tem dois objetivos principais. O primeiro é demonstrar que a vontade política do Afeganistão pode ser traduzida em ações", explicou, em entrevista à AFP, o organizador da conferência, o ex-candidato a presidência Ashraf Ghani.

"O segundo é pedir um realinhamento da generosa ajuda internacional para que possamos atingir os nossos objetivos comuns, isto é, um Afeganistão estável, seguro e democrático", acrescentou.

Entre os mais de 70 representantes internacionais estarão cerca de 40 ministros das Relações Exteriores, como a secretária de Estado americana Hillary Clinton, neste encontro que deve ser presidido pelo presidente afegão, Hamid Karzai, e pelo secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon.

Os representantes afegãos devem apresentar suas propostas para melhorar o governo, o desenvolvimento econômico e social, a justiça, os direitos humanos e a utilização da ajuda internacional.

Mas isso pressupõe a pacificação de grande parte do país, amplamente abalado pela rebelião.

Para isso, o governo afegão e seu aliado americano esperam atrair rebeldes, através do Programa para a Paz e Reconciliação no Afeganistão, especialmente os soldados de baixa patente que lutam por dinheiro e não por ideologia.

O governo de Cabul e seus parceiros internacionais planejam abrir centros de reinserção, criar empregos e comprar terras para os rebeldes que se entregarem.

No início de junho, o enviado americano Richard Holbrooke anunciou que o assunto seria debatido e detalhado durante a conferência da terça-feira, exigindo que o governo afegão desse garantias sobre a utilização dos 200 milhões de dólares prometidos para financiar o programa.

O governo afegão, por sua vez, espera que a comunidade internacional lhe permita controlar 50% da ajuda total recebida, num prazo de dois anos.

"Para isto, precisará haver progresso significativo na transparência do governo afegão", admitiu Asraf Ghani.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host