UOL Notícias Notícias
 
20/07/2010 - 13h47

Cameron chega à Casa Branca para reunir-se com Obama

WASHINGTON, 20 Jul 2010 (AFP) -O primeiro-ministro britânico, David Cameron, chegou nesta terça-feira à Casa Branca em sua primeira visita oficial aos Estados Unidos para uma conversa de três horas com o presidente americano, Barack Obama, em um momento em que a companhia British Petroleum é duramente questionada pela demora em conter a maré negra no Golfo do México.

Cameron chegou à sede do executivo americano em uma lumusine do governo dos Estados Unidos.

A reunião será seguida de um almoço de trabalho, do qual participará o vice-presidente americnao, Joe Biden, depois de uma conferência coletiva prevista para as 18H00 GMT (15h00 de Brasília).

Antes mesmo do encontro, o recém-empossado premier britânico, que assumiu o cargo em maio, chegou a ser interposto pela mídia, descartando as dúvidas de que a maré negra, provocada pelo naufrágio de uma plataforma do grupo britânico BP, pudesse afetar a "relação especial" entre os dois aliados.

"A relação entre Estados Unidos e Grã-Bretanha é simples: é forte porque beneficia os dois", afirmou Cameron em declarações ao Wall Street Journal.

"Nossa aliança não se sustenta por nossos laços históricos ou uma lealdade cega. É uma parceria escolhida, que serve a nossos interesses nacionais recíprocos", acrescentou.

O premier faz esta visita no momento em que a BP, empresa crucial para a economia britânica, é alvo de críticas da opinião pública americana por sua atuação no caso da maré negra, a pior catástrofe ambiental da história dos Estados Unidos.

Bem antes do encontro, os dirigentes tranquilizaram os ânimos, afirmando que a catástrofe não afetaria suas relações.

"Naturalmente, vamos conversar sobre a BP", disse Cameron. "É uma companhia importante, não só para a Grã-Bretanha, mas também para os Estados Unidos, onde emprega duas mil pessoas".

Esta primeira visita do chefe de governo britânico aos EUA se vê ofuscada não só pela atuação da BP na pior catástrofe ambiental da história do país, mas também pela liberação do líbio Abdelbaset Ali al Megrahi, em agosto passado.

Alegando razões humanitárias, a Escócia liberou Megrahi, que cumpria desde 2001 pena de prisão perpétua pelo atentado de 1988 contra o avião da companhia aérea americana PanAm, que explodiu em pleno voo sobre a cidade escocesa de Lockerbie, causando a morte de 270 pessoas, a maioria de cidadania americana.

Outro grande tema do encontro será a guerra no Afeganistão.

A viagem de Cameron coincide com a realização, em Cabul, de uma conferência de países doadores que deram seu apoio ao projeto do presidente Hamid Karzai de assegurar com suas próprias forças a segurança do país até o fim de 2014.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    11h49

    -0,43
    3,262
    Outras moedas
  • Bovespa

    11h51

    1,54
    62.626,23
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host