UOL Notícias Notícias
 
22/07/2010 - 18h08

Belgrado aposta na Assembleia Geral da ONU após revés na CIJ

BELGRADO, 22 Jul 2010 (AFP) -Belgrado aposta agora na Assembleia Geral das Nações Unidas para defender sua causa, após o revés sofrido nesta quinta-feira na Corte Internacional de Justiça (CIJ), que considerou legal a proclamação da independência de Kosovo.

O presidente sérvio, Boris Tadic, disse na noite de hoje que a decisão da Corte de Haia não mudará em nada a posição de Belgrado e que a Sérvia "jamais" reconhecerá a independência de Kosovo, que considera uma de suas províncias.

O revés diplomático foi ainda maior porque as autoridades pró-europeias de Belgrado apostavam em uma decisão da CIJ para enfrentar a proclamação da independência de Kosovo, realizada no dia 17 de fevereiro de 2008.

Após intensos esforços diplomáticos, Belgrado obteve da Assembleia Geral da ONU, em outubro de 2008, que a CIJ se pronunciasse sobre a legalidade ou não da proclamação de Kosovo.

Desde então, a Sérvia não economizou esforços para impedir que a comunidade internacional reconhecesse a independência de Kosovo.

Até hoje, 69 países se somaram à lista do reconhecimento da independência.

As autoridades de Kosovo festejaram os desdobramentos da decisão da CIJ, com o reconhecimento de mais países e a perspectiva de integração de Kosovo à União Europeia, Otan e ONU.

Mas o presidente sérvio garante que o combate ainda não terminou e que os esforços de Belgrado se concentrarão na Assembleia Geral das Nações Unidas, prevista para setembro.

A CIJ concluiu que a proclamação da independência de Kosovo não viola o direito internacional, uma decisão "difícil" de admitir por parte dos sérvios, mas a Corte não se pronunciou "sobre a base" do tema, "o direito de secessão", argumentou Tadic.

Segundo o presidente sérvio, a CIJ entregou à Assembleia Geral à tarefa de gerar "as consequências políticas" de sua decisão.

Tadic espera que a Assembleia Geral permita adotar uma "resolução que permita resolver este problema histórico (de Kosovo) e o conflito entre sérvios e albaneses através de negociações".

Mas a decisão da CIJ reduz a margem de manobra da Sérvia para elaborar seu projeto de resolução junto à Assembleia Geral. Os kosovares não querem nem falar de negociações, especialmente sobre sua independência.

Além de um revés diplomático, a decisão da CIJ constitui um golpe político, já que reforça a oposição nacionalista contra Tadic.

Dentro da Europa, a situação também vem sendo complicada para a Sérvia, que apresentou em dezembro sua candidatura para entrar na União Europeia (UE).

O Bloco europeu ainda não definiu uma posição comum sobre a independência de Kosovo, já que dos 27 Estados membros, cinco não reconhecem a decisão de Pristina: Espanha, Eslováquia, Romênia, Grécia e Chipre.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host